domingo, 9 de dezembro de 2012

Imagine - Niall Horan

Imagine - Niall Horan

Sinopse: Será que ele vai voltar? Será que ela não em ama mais?
Classificação: +18
Gênero: Romance/Drama

(Gente, essa fic não é minha, eu gostei dela e decidi postar ela aqui. Cdt para Helen. Se quiserem ler a fic cliquem aqui)











(SEUNOME)'S POV
Só me lembro de me jogar na janela do meu quarto e ver um caminhão escrito "Mudança" encostando.
- Vizinhos novos? - Penso comigo mesma em voz alta.
O pessoal não entrou com muitas caixas dentro de casa, talvez seja só uma pessoa. Termino de me arrumar, estava indo me encontrar com meu namorado Niall. Ao chegar no ponto marcado, vejo Niall de longe olhando para o horizonte nos seus devaneios... O que será que ele estava pensando?
De fininho, assopro sua nuca o assustando e o fazendo virar para trás.
- Oi amor! - Niall fala me beijando.
- Te assustei? - pergunto.
- Um pouco.
Rimos e começamos a andar.
- Antes de eu vir pra cá, tinha gente se mudando para a casa do lado - digo.
- Viu quem era? - Niall pergunta.
- Ainda não, mas o pessoal não estava entrando com muita coisa em casa, acho que é uma pessoa.
Ficamos em silêncio. Meu celular toca.
LIGAÇÃO ON
- Alô? - digo.
- (seunome)? É a Maura. O Niall está com você?
- Está sim, quer falar com ele?
- Não, não, deixe quieto, depois falo com ele, vou deixá-los namorando. Beijos.
LIGAÇÃO OFF
- Era sua mãe - digo - ela disse que depois fala com você.
Niall ri.
- Sempre a minha mãe.
Dou de ombros. Finalmente chegamos ao destino desejado: "Hamburger's house". Niall vai fazer os pedidos e eu fico na mesa o esperando. Ele volta com uma bandeja cheia. Dois hambúrgueres, duas mini porções de batatas fritas, dois refrigerantes e dois potes de sorvetes com chocolate. Ele senta junto a mim.
- Você está querendo me ver gorda? - pergunto rindo.
- Será? - ele fala rindo sarcástico.
Dou um leve empurrão em seu ombro e um beijo logo em seguida.
Meu irlandês. Nem acredito que tenho um namorado tão carinhoso e atencioso como Niall. Não estava mais aguentando o sorvete, então resolvemos ir andando para casa e tomando, assim íamos fazendo digestão.
- Sabe? - Niall inicia uma conversa - Se você tivesse uma filha e um filho, como seriam os nomes? - Niall conclui.
Okay, por que essa pergunta agora?
- Ah! - digo e ponho mais um pouco de sorvete na boca - Não sei, mas acho que menina seria Julia e o menino seria Victor - mais uma colherada - E você, Niall?
- Bem, menina seria Anna e menino seria Niall - ele ri depois de pronunciar seu nome.
O caminho todo até a minha casa foi sobre bebês, como seria se nós tivéssemos um filho, onde moraríamos e como nossos pais reagiriam.
- Princesa entregue ao seu palácio - Niall fala me colocando no degrau, me deixando maios que ele e passando seus braços pela minha cintura.
Passo meus braços pela nuca dele e faço nossos lábios se encontrarem.
- Seu bobo. Cadê o cavalo do meu príncipe? - pergunto olhando para aqueles olhos azuis.
- Hum... Acho que ele fugiu ao ver que você é mais bonita que ele.
Não me contenho e começo a rir, o beijo mais uma vez, era impossível não beijá-lo, passo a mão pelo cabelo loiro e macio dele.
- Agora entre, vá descansar, pois eu te cansei no dia de folga - Niall fala nos afastando.
Faço bico e cara de triste.
- Não adianta, entre.
Me despeço de Niall e entro. Subo as escadas e vou direto para meu quarto, estava cansada e amanhã era dia de trabalho. Deito na minha cama e caio na inconsciência. Acordo desorientada com a claridade que vinha de fora do meu quarto invadindo minha cama. Levanto para fechar a cortina e me deparo com meu novo vizinho de costas e sem camisa pregando um quadro do McFly na parede.
Ele analisava o quadro de costas para minha janela e eu analisava suas costas, de baixo para cima, quando cheguei à nuca pude perceber que ele tinha tatuagem, quando pressionei mais meus olhos e estava me jogando um pouco mais para frente da janela para ver o que era o desenho, ele se vira e olha para mim. Me abaixo com tudo na parede debaixo da mesa e embaixo da janela.
- Meu Deus, será que ele percebeu que eu estava o encarando? - penso alto comigo.
Saio de debaixo da mesa e vou me levantando devagar e olhando para a janela. Meu vizinho estava escrevendo num caderno e virado para minha janela, não estava entendendo nada, então me levantei de uma vez e fiquei o olhando com as mãos na cintura. Ele me olha por cima das sobrancelhas grossas e bem feitas depois para o caderno. Ele coloca o canetão na mesa que tinha em frente da janela e vira o caderno para mim.
"OLÁ"- Era o que estava escrito. Abro minha gaveta e pego algumas folhas de sulfite e umas canetinhas que tinha. O respondo : "OLÁ NOVO VIZINHO :)" Ele sorri ao ler. Começamos a conversar por papel, quando me dou conta da hora me despeço correndo e me jogo na cama depois de fechar a cortina.
NIALL'S POV
Eu queria passar cada milésimo de segundo que eu poderia ao lado de (seunome), não sabia o que estava escrito naquele envelope que estava com a minha mãe. Quando ela ligou para (seunome), eu sabia que era atrás de mim, eu deixei meu celular desligado pois não queria ser incomodado com a resposta, não quero abri-lo e não quero que ninguém o abra. Hoje o dia era só meu e da (seunome), pena que ela tinha que trabalhar no dia seguinte, mas ela, geralmente nos dias de quinta-feira, sai mais cedo, eu posso ir para a casa dela.
Vou para a casa da minha mãe pegar meu envelope. Toco a campainha e ela logo me atende, parecia até que estava atrás da porta.
- Mãe, vim pegar o envelope - digo.
Minha mãe estica as duas mãos com aquele pedaço de papel amarelo nas mãos, com muito medo eu pego e dou um sorriso sem graça pra ela.
- Abra-o - minha mãe fala.
Ela queria saber mais do que eu o que estava escrito ali.
Vou tirando o colado cuidadosamente, meu coração estava disparado a cada movimento que eu fazia com aquele papel nas minhas mãos, tiro o papel branco de dentro e desdobro. Leio cuidadosamente, fecho os olhos e abaixo o papel que cobria o meu rosto.
- E? - minha mãe fala impaciente.
Faço que sim com a cabeça e minha mãe me abraça com os olhos marejados, ela deixa suas lágrimas escaparem e aparecerem na minha blusa que era clara.
Eu queria ficar sozinho, me despeço da minha mãe e vou para minha casa pensativo, com aquele papel no bolso. Como eu explicaria para (seunome)? Eu não tenho nem ideia. Foi uma noite longa, eu mal dormi, acho que a preocupação estava tomando conta do meu corpo físico e do meu espirito.
Caio no sono sem perceber.
ZAYN'S POV
Me mudei para um bairro pequeno, quando visitei a casa para comprá-la logo me apaixonei, pensava que não morava ninguém ao lado, pois quando vim para cá não tinha ninguém nas casas ao lado, mas a noite quando estava arrumando meu quarto fui surpreendido por uma bela moça na janela, pendurada praticamente. Ela se abaixou com tudo, quem era ela? Ela era realmente muito bonita, uma beleza natural.
Pego meu caderno de passatempo e escrevo para ela, enquanto escurecia a letra pude vê-la me observando com as mãos na cintura, mostro o caderno e ela me responde numa folha de sulfite. Foi legal passar o resto da noite e um pedaço da madrugada acordado com ela. Eu realmente gostei, mas espere um pouco, eu nem perguntei ao menos seu nome?
Fui dormir, estava cansado, dia de mudança e depois ficar conversando por papel cansa, não é? E no dia seguinte, de manhã, eu tinha uma entrevista de emprego, afinal, eu precisava sustentar a casa.
(SEUNOME)'S POV
Same Mistakes começa a tocar, era meu despertador, viro com tudo para desligá-lo, mas eu tinha que me levantar para trabalhar. Faço um coque enorme e vou para o banho. Após desligar o chuveiro pude escutar meu celular tocando. Me seco de qualquer jeito e saio correndo, mas quando chego ao meu quarto ele para de tocar, era Niall, eu retorno.
LIGAÇÃO ON
- Amor? Vi que me ligou, aconteceu alguma coisa? - pergunto preocupada.
- Aconteceu, eu estou apaixonado mais ainda por você - Niall fala.
Eu começo a rir.
- Eu também te amo Niall, mas diga-me, o que aconteceu?
- Posso dormir na sua casa hoje à noite? - Niall pergunta.
- Mas que pergunta, é claro que pode.
LIGAÇÃO OFF
Assim que terminou o telefonema, termino de me arrumar, hoje eu iria menos formal, all star, calça jeans, blusa social azul e meu cabelo meio preso, meio solto. Está ótimo. Não ia ser um dia tão longo hoje, eu iria sair mais cedo. Isso!
Abro a cortina do meu quarto e me deparo com Zayn colocando uma camisa branca social com os dois primeiros botões abertos.
"HUM... TÃO ELEGANTE, ONDE VAI?" - Pergunto curiosa "PARA UMA ENTREVISTA" - Ele me responde. "BOA SORTE!".
Vou a caminho do meu escutando música no meu celular, era uma distração que eu fazia durante a semana. Chego à empresa e vou bater meu cartão.
- Bom dia (seunome)! - Meu chefe fala.
- Bom dia! - digo.
Não gostava do meu chefe, ele dava em cima de mim, uma vez eu estava encostada na mesa dele conversando com meu antigo secretário e ele pediu para o próprio sair da sala para conversar comigo, tudo bem, pensei que eu tinha feito algo errado, eu tinha brigado com o Niall nesse dia, pois ele ficou três semanas fora e não me deu satisfação ou explicação alguma. Mas enfim.
Eu estava encostada na mesa dele e ele começou a falar algumas coisas nada com nada e se aproximar de mim na mesa e nossos corpos estavam grudados e ele tentou me beijar, eu saí correndo da sala dele e contei para algumas funcionárias da empresa que talvez ele fizesse isso com elas, mas até hoje, nada.
- Você vai ficar com cinco entrevistas hoje, certo? Assim você termina seu turno, mas se terminar antes, está liberada.
- Certo! - digo e saio da sala daquele porco.
Foram quatro entrevistas, uma seguida da outra e meia hora cada. Eu precisava de um descanso, mas não iria almoçar hoje, pois queria ficar livre daquele lugar logo.
NIALL'S POV
Certo, eu vou dormir na casa da (seunome), então vou levar café da Star Bucks para nós, isso fará ela feliz. Nem filme diferente vai ter para nós assistirmos, o que iremos fazer? Jogo da verdade? Verdade ou consequência? Acho que na hora a gente inventa alguma coisa. Vou avisar para minha mãe que não irei dormir em casa.
Talvez ela queira ir pra lá e eu não esteja.
ZAYN'S POV
Estava nervoso para essa entrevista, era numa empresa grande. Entro e vou à recepção.
- Por favor, você poderia me dizer onde estão sendo as entrevistas? - pergunto ao recepcionista.
- Claro, no sétimo andar, sala sessenta e quatro.
Agradeço e vou para o elevador, era espelhado e as bordas eram douradas, tinha TV e os botões eram com sensores.
"Sétimo andar" - A voz feminina do elevador falou. Saio e vou até a porta da sala sessenta e quatro. "Entre sem bater" - o bilhete na porta dizia. E foi o que eu fiz.
Tinha um balcão bem em frente, me encostei e perguntei outra vez:
- É aqui que estão fazendo as entrevistas? - digo.
- Sim. Você é o Zayn Malik? - a mulher fala.
- Sim, sou eu - digo.
- Só falta o senhor. Segunda porta a esquerda.
Agradeço e sigo sua instrução, bato na porta e entro.
- Com licença! - digo.
- Pode entrar, fique à vontade, só vou pegar sua ficha - a mulher falava de costas sentada na poltrona.
Me sento na cadeira, era bem confortável e fofa. Ela se vira e nossos olhos se encontram.
- Você? - nós dois falamos juntos.
Começamos a rir. Ela estica a mão para mim.
- Boa Tarde e prazer, me chamo (seunome), e você?
Seguro a mão dela com meu coração disparado.
- Me chamo Zayn...
Ela faz a entrevista comigo de trinta e cinco minutos, se eu tivesse passado ela me ligaria, ou no nosso caso, falaria pela janela.
Vou para casa, ela ainda tinha mais cinco minutos para ir embora.
(SEUNOME)'S POV
Foi estranho entrevistar o meu vizinho, mas o melhor de todos ainda tinha sido ele. Hoje pude perceber que ele é muito bonito e simpático, sua voz é linda assim como seu corpo pela roupa que era um pouco grudada.
Okay, saindo dos meus pensamentos e entrando em casa. Abro a porta do meu quarto e Niall estava deitado.
- Niall? - falo sorridente e me jogo na cama em cima dele. Nos beijamos e eu vou trocar de roupa.
Ponho um short leve e uma blusa larga de Niall que tinha deixado na minha casa há muito tempo, fecho a cortina e sento na cama de pernas cruzadas para tomar café da starbucks que Niall tinha levado para nós.
- Isso só me lembra nosso primeiro beijo - falo sorrindo.
- Há cinco anos atrás? - Niall fala.
- Sim - confirmo.
Sim, a gente já namorava há cinco anos.
Nosso café termina, conversamos um pouco e o sono tava batendo, me deito e escorrego nos travesseiros, olho para Niall que me observava.
- Psiu - o chamo - Vem cá?
Niall sorri, ele começa a me beijar, de um beijo calmo e cheio de amor, vai para um beijo rápido e cheio de desejo. Niall começa a passar a mão pela minha coxa que estava descoberta devido ao meu short um pouco curto, deixo rolar.
Não ia adiar pela décima vez em cinco anos, ele nem era de pedir isso. Ele tira minha blusa e eu permaneço com os olhos fechados com os lábios dele no meu, ele nos afasta por um tempo rápido e eu escuto a blusa dele cair no chão.
Nossos corpos estavam quentes e se encostavam, eu queria o Niall dentro de mim. Ele com jeito coloca suas pernas entre as minhas e eu acabo as abrindo deixando espaço para ele se deitar em cima de mim. Não tinha mais volta. Ou tinha? Nos afasto rapidamente o deixando assustado.
- Niall, não... eu... eu não posso - digo o olhando.
Niall revira os olhos e deita ao meu lado na cama bufando.
- Desculpa, eu também quero, mas, mas... - Niall me interrompe.
- Não precisa se desculpar, (seunome) - Niall fala virando de frente e encarando o teto.
- Niall, eu juro que entendo, eu também quero, mas não consigo.
Niall me dá um beijo no topo da cabeça e vira para dormir. Não conseguia dormir por pensar que vacilei com ele pela décima primeira vez. Uma vez eu que pedi para rolar entre nós dois, mas ele não estava com cabeça, e as décimas outras vezes, foi ele.
Fui até a minha janela, abri a cortina e vi meu vizinho fazendo um show particular, ele estava com fones vermelhos grandes com o celular na mão, sem camisa e fingindo tocar uma guitarra invisível de olhos fechados. Quando a música voltou a tocar, aparentemente, ele abriu os olhos e me viu rindo da situação que ele estava.
ZAYN'S POV
Quando virei na parte do solo da música, pude perceber que (seunome) me observava e ria, tiro os fones e pegou meu caderno. "DESCULPE-ME PELA CENA, ESTOU SOZINHO EM CASA, COMO SEMPRE =/" - mostro meu caderno para ela. Ela pega o seu bloco de folha de sulfite e suas canetinhas coloridas para responder-me. "IMAGINA. EI, ZAYN, SE VOCÊ TIVESSE UMA NAMORADA..." - ela mostrou, indaguei que tivesse uma continuação e escrevi. "CONTINUA" - mostrei.
"E VOCÊS NAMORASSEM HÁ 5 ANOS..." - Ela mostrou. " TEM MAIS?" - perguntei confuso. Ela fez que sim com a cabeça e voltou a escrever, o quarto dela tava escuro, ela nunca escreve no escuro. "E VOCÊ TIVESSE PEDIDO PARA ROLAR ENTRE VOCÊS ONZE VEZES E ESSA GAROTA NEGASSE, O QUE VOCÊ FARIA?" - Ela mostrou, eu fiz um "O" com a boca, nossa, onze vezes, essa era difícil, não que eu seja um galanteador, mas... nossa. "ISSO É COM VOCÊ? VOCÊ NAMORA?" - Eu mostro, torcendo que a resposta seja "Não". Ela respondeu que sim com a cabeça e eu saio da frente da janela para que ela não me veja chorando.
- NÃO, NÃO... AHHHHHHHHH - Gritava no meu quarto e socava minha cama, ela não podia namorar, eu estava gostando dela, ela era uma garota diferente, engraçada, eu precisava dela para mim. Eu estava amando a minha vizinha que conhecia há pouco tempo...
Me viro na cama para molhar a outra parte de meu travesseiro e acabo caindo da cama.
- Ai, ai, ai - falo quase gemendo.
Olho para de baixo da minha cama e vejo uma cartolina. Pego e escrevo o que não iria caber num pequeno papel daquele meu caderno.
- Será que ela o conhece há 5 anos atrás apenas? - penso comigo mesmo.
Me levanto do chão e olho pela janela, mas ela não estava mais lá. De repente, num pulo, ela aparece sorridente, não contive o sorriso, ela era muito perfeita. Mostro meu cartaz.
Ela lê séria, bate o seu bloco na mesa e olha para trás, depois escreve e me mostra. "PASSA O NÚMERO DO SEU CELULAR"
Sem pensar duas vezes faço o que ela escreveu. Ela falava num sussurro no telefone enquanto se balançava na cadeira giratória rosa de seu quarto.
LIGAÇÃO ON
- Por que você não vai mais além com ele? - perguntei.
- Tenho medo - ela disse.
- De quê, princesa?
- De doer, de ficar grávida - ela disse.
- Se ele for cuidadoso não doerá e em relação a ficar grávida, é só usar preservativo.
- Mesmo me cuidando eu tenho medo, Zayn.
Ficamos em silêncio por um tempo.
- Você e ele se conhecem há muito tempo? - pergunto esperando que a resposta fosse negativa, eu queria conquistá-la.
- Sim, desde os meus 6 anos de idade. Vou te contar essa história, certo? - ela falou tão meiga, queria saber mais sobre ela.
- Certo - respondi e sorri.
- Meu pai mora aqui na Inglaterra e minha mãe é brasileira, ela veio para cá procurar uma vida melhor e conheceu meu pai. Ela era apenas uma diversão para ele. Quando minha mãe contou que estava grávida - ela fez uma pausa e respirou fundo - Ele a expulsou de casa a deixando sem rumo, sem teto. Moramos na rua até meus 5 anos, pois a Maura, mãe do Niall, meu namorado, fez amizade com a minha mãe e nos levou para a casa dela. Quando eu completei 6 anos, ela disse que precisava voltar para o Brasil e pediu para Maura cuidar de mim que ela tinha certeza que eu viraria uma boa pessoa - pude perceber quando (seunome) fungou.
Ela estava chorando.
- Você pode descer? - pergunto.
- Posso!
- Te encontro lá em baixo, então?
- Sim.
LIGAÇÃO OFF
Desligamos e eu desço. Apago a luz e ponho um casaco mesmo sem blusa por baixo. Ao chegar lá, (seunome) estava fechando a porta. Eu atravesso a rua e a abraço, percebi que ela estava chorando.
- Minha pequena, não fique assim - disse.
- É que eu me lembro de leve que minha mãe ficava sem comer para me dar comida e isso me faz mal.
A abracei outra vez e dessa vez mais forte.
- Você mora com a Maura e o... hum - limpei a garganta - Niall nessa casa?
Ela se afasta do meu peito para me responder.
- Não, essa casa foi o que eu consegui comprar com o dinheiro que minha mãe mandou quando chegou ao Brasil e a Maura me ajudou com uma quantia que eu já paguei pra ela. Niall tem metade do meu guarda-roupa, sempre que ele quiser, ele pode vim ficar comigo.
Ficamos conversando até percebermos que o sol já estava querendo aparecer, nos despedimos e fomos para nossas casas.
NIALL'S POV
Quando eu pensei que finalmente iria rolar, ela diz que não pode. Não que eu queira forçá-la a algo, mas eu quero fazer de nós dois um só. Simplesmente não a culpei e virei para o lado. Precisava dormir, eu estava com um desejo que não era meu. Mesmo dormindo reparei (seunome) levantar, mas estava tão cansado que voltei a dormir.
Estava sonhando com o envelope e a casa da minha mãe quando escutei a porta do quarto fazer barulho, abri meus olhos e olhei para o quarto, não vi ninguém. Olhei o outro lado da cama e (seunome) não estava ali, percebi que a cortina estava aberta, fui até lá e vi (seunome) e o vizinho novo dela abraçados. Sim, o ciúme bateu.
Será que ela estava me traindo ou estava ficando com ele e não queria me contar? Será que é por isso que ela nunca quer ter uma coisa a mais comigo? Ela estava terminando comigo?
- Não vou confirmar nada sem provas - disse pra mim mesmo.
Fui até a cozinha tomar água, ao terminar a escada e passar perto da porta para ir à cozinha pude escutar (seunome) falando: "Eu amo o Niall, mas tenho medo porque sou virgem". Então é por isso que ela não dá um passo à frente? Tomei minha água e voltei para o quarto. Precisava tirar o atraso, do sono, é claro.
Deitei na cama e não lembro mais de nada.
- Boa noite! Boa noite! Boa noite! - (seunome) falava em cima de mim entre os beijos na minha bochecha.
- Boa noite? - perguntei ficando de frente na cama.
- Sim, eu já dormi e você continuou dormindo, pelo jeito nem vai dormir essa noite, não é? - ela falava com empolgação.
- É... acho que não - rimos.
(seunome) levantou da cama e foi até a mesinha perto da janela, depois voltou e sentou-se em cima de mim tampando meus olhos com a mão mesmo eles estando fechados.
- O que foi? - perguntei confuso.
(seunome) me deu um beijo e mordeu meu lábio superior. Eu sorri de canto. Depois destampou meus olhos e começamos a comer morango com chocolate.
- Psiu - (seunome) me chamou e eu olhei. Ela piscou e começou a rir.
Eu gargalhei, pois foi sem motivo e engraçado. Comecei a fazer cosquinha nela.
- PARA NIALL, NIALL, NIALL PARA - ela falava entre risos.
(seunome) conseguiu escapar de mim na cama e começou a correr no quarto. Eu passei pela janela e fechei a cortina primeiro, depois (seunome) ficou sem saída entre a parede e eu. Comecei a me aproximar rindo de canto e (seunome) ria descontroladamente.
Encostei nossas testas e eu conseguia sentir sua respiração no meu rosto, nossos lábios estavam se encontrando e meu celular tocou.
- Arg! - gemi.
LIGAÇÃO ON
- Oi mãe? - disse.
- Vem buscar o envelope e conte para (seunome) - minha mãe falou séria.
- Mas mãe... - ela me interrompeu.
- Agora Niall! - me ordenou.
LIGAÇÃO OFF
- O que foi? - (seunome) me perguntou preocupada.
- Minha mãe disse pra eu... buscar uma coisa na casa dela e... - não consegui completar.
- E... o quê? - (seunome) perguntou.
- Depois eu falo. Vamos tomar banho?
(seunome) fez que sim com a cabeça, mas não deixou eu tomar banho junto com ela, tive que esperá-la na cama. Enquanto ela se arrumava, eu tomava banho. Estava pronto. Seguimos para a casa da minha mãe. Toco a campainha e ela nos atende. Nos ofereceu suco e bolacha, depois ela e (seunome) conversaram sobre algumas coisas e enfim vamos embora. Quando ligo o carro para dar partida, minha mãe sai da casa me chamando.
- NIALL? NIALL? - ela gritava.
- Sim mãe? - eu disse colocando a cabeça para fora.
- Isso lhe pertence.
Ela coloca no meu colo o envelope sem (seunome) perceber e eu vou embora. Estávamos escutando música até chegarmos em casa, no caso, na casa da (seunome). Ela sai e eu estaciono, quando saio do carro, por um pequeno deslize, deixo o envelope cair na calçada à milímetros de (seunome). Ela foi mais rápida que eu e pegou.
- O que é isso? - ela pergunta analisando o papel.
- Não é nada, me entregue - disse com o coração pulando.
(seunome) coloca o braço pra trás impedindo meu acesso ao papel. Ela abre sorrindo, ao ler do que se tratava seu sorriso desmorona e ela olha pra mim com seus olhos inundados com suas lágrimas grossas.
- Voc... você - ela respira após uma lágrima escorrer - Você vai para o exército e não me contou nada? - (seunome) falava já soluçando.
- (seunome), amor, eu... - ela sai correndo porta à dentro.
Eu saio correndo atrás, mas era muito tarde para me arrepender. Ela subiu as escadas num pulo e bateu a porta do quarto, mas não a trancou, eu entrei e (seunome) estava apoiada na cama em lágrimas. Seus olhos já estavam vermelhos.
- Eu ia te contar, (seuapelido) - falo fazendo carinho em seu cabelo.
- Quando? - ela me encarou séria.
- Na hora certa, eu sabia que você iria ficar assim.
Ela se levanta e fica perto da porta.
- Você me traiu, você mentiu pra mim, me escondeu uma coisa que envolve nós dois - ela dizia em lágrimas.
- VOCÊ NÃO ENTENDE? EU FIZ ISSO POR NÓS, EU FIZ ISSO POR AMOR. MESMO QUE EU FIQUE LONGE DE VOCÊ EU CORRO O RISCO DE NÃO VOLTAR MAIS, MAS EU FIZ ISSO PENSANDO EM VOCÊ - eu falo gritando e chorando agora.

(SEUNOME)'S POV
Ver aquela carta foi um choque pra mim, eu sabia que o risco do Niall não voltar mais era grande, a guerra que ele iria estava séria dessa vez. Era pra valer. Mas ver o Niall chorando e gritando comigo fez meu coração ficar pequeno, ele estava fazendo aquilo mesmo por mim? Niall se levantou da cama e estava indo em direção à porta.
- Aonde você vai? - pergunto o segurando pelo braço e deixando-o contra parede.
- Embora! - Niall me respondeu com tristeza nos olhos.
- Não faz isso... Eu te amo! - disse.
Niall inverte nossa posição, eu estava contra a parede, ele me segurava pela cintura e eu joguei o papel no chão para segurar sua nuca.
- Será mesmo? - Niall disse.
Eu tomei iniciativa e o beijei, não podia perder mais nenhum minuto, ele iria partir semana que vem. Nosso beijo começou devagar com desejo e amor, mas depois ficou rápido e caloroso. Niall me colocou em seu colo e eu prendi minhas pernas em sua cintura, eu massageava seu cabelo todo. Meu fôlego estava acabando então nos afastei.
- Me põe no chão - disse entre sussurros. Vi a cara de Niall de desapontado. Eu não iria vacilar com ele dessa vez.
Fui em direção da minha cama tirando meu vestido e ficando de lingerie de renda, eu nunca tinha ficado desse jeito na frente de Niall antes. Ele me olhava de cima a baixo sem saber o que fazer. Eu deitei na cama e o chamei com o dedo indicador. Foi ai que Niall saiu de seus pensamentos fundos e foi vindo em minha direção. Ele tirou a blusa e a calça.
Ele me beijava calorosamente, seu corpo foi tomando conta até que eu abri minhas pernas dando espaço para Niall deitar-se todo em mim.
- Você tem certeza? - ele me perguntou.
- Mais do que nunca - respondi.
Niall solta meu sutiã que fechava na frente, ele encara meus seios, volta a me beijar enquanto massageia um deles me fazendo gemer entre beijos. Ele desce e os beija. Fica de joelhos na cama, tira sua boxer e minha calcinha.
Não podia acreditar naquilo, eu estava realmente nua na frente do menino com quem eu cresci, que era meu irmão e que eu me apaixonei e desejava loucamente? Niall se aproximou de meu ouvido e isso fez nossos corpos nus se encontrarem, esse contato fez com que eu me arrepiasse.
- Se doer, ou eu te machucar, me arranhe - Niall sussurrou em meu ouvido.
- Eu não sei fazer nada disso - sussurrei de volta.
- Eu também não, mas eu estou com você, e tudo vai dar certo.
Ele se afastou do meu ouvido e a gente se encarou um pouco, quando nossos lábios se encontraram, ele começou a nos unir de leve, eu dei uma leve gemia, pois havia doído. Niall estava bem devagar, ele tinha medo de me machucar realmente.
- Mais - disse sussurrando, quase não dava para ouvir.
- Eu tenho medo de te machucar - Niall disse.
- Não irá, meu amor.
Niall aumentou a velocidade e a força que me penetrava, era a nossa primeira vez e seria inesquecível. Eu gemia seu nome e via ele morder seu lábio. Nós estávamos suados e nossos corpos estavam quentes, inexplicável. Aquilo era novo para mim.
Senti quando Niall ejaculou, foi uma sensação gostosa, ele diminuiu a velocidade e agora me beijava ofegante assim como eu. Empurrei Niall com a mão o fazendo ficar de joelhos na cama.
- O que foi? - Niall pergunta confuso.
- Deita - disse.
Niall deitou na cabeceira da cama como eu mandei, sentei-me em cima dele, peguei seu membro com as mãos e encaixei-o, comecei a me movimentar como imaginava que fosse, coloquei meus braços na cabeça e Niall segurou na minha cintura, o prazer estava aumentando assim como a minha vontade. Coloquei minhas mãos em seu peito.
- Ai... Niall - gemia.
- Posso fazer uma coisa? - ele perguntou quase gritando.
- Sim - disse gemendo.
Niall segurou com mais firmeza minha cintura e me fez rebolar em seu membro. Niall gritou, mordeu seu lábio e franziu o cenho deixando visível seu aparelho. Eu gemi também e senti um líquido sair de mim e senti Niall ejacular outra fez. Meu príncipe se pôs em cima de mim outra vez e começou a me beijar.
- Nunca fiz isso antes, mas garanto que foi a melhor - Niall disse me beijando.
- Concordo - disse.
ZAYN'S POV
Ter ficado a madrugada todo acordado com a (seunome) valeu à pena, será que eu consegui ao menos mexer um pouco com o coração dela? Fiquei observando-a entrar em casa, depois entrei, passei pelo espelho da minha sala e percebi que meus olhos estavam vermelhos.
- Uau, eu estou com sono - falei pra mim mesmo.
Subi as escadas e fui para minha cama, dei uma última olhada para a janela e a cortina do quarto dela ainda estava aberta. Me joguei na cama e apaguei.
Acordei no dia seguinte, digo, na noite do mesmo dia. Olhei da minha janela e vi a luz do quarto de (seunome) acesa, mas a mesma não estava na janela me esperando, tive uma pontada de tristeza. Desci para a cozinha com o celular na mão, peguei meu garrafão de leite e um copo, o despejei enquanto olhava a foto de (seunome) no meu celular. Sim, uma foto dela.
FLASHBACK ON
- Você tem meu número gravado no seu celular? - ela me pergunta.
- Sim - digo sorrindo.
- Me empresta? - ela pergunta esticando a mão.
O entrego, ela mexe por um tempo em silêncio e depois se aproxima de mim. Ela tira meu braço da frente do meu corpo e deita no meu peito, passa meu braço na frente do corpo dela e coloca meu celular para cima.
- Sorria - ela disse.
Escutei o barulho do meu celular que faz quando tira foto, eu precisava tirar aquele barulho dali logo. Ela se afastou e olhou a foto liberando um sorriso encantador.
- Deixa eu ver? – disse, me aproximando dela.
(seunome) mostra o celular pra mim ainda sorrindo, ela tinha ficado linda na foto, não quero me gabar, mas nós dois tínhamos ficado lindos na foto.
- Essa vai ser minha foto de contato no seu celular - ela disse sorrindo para mim outra vez.
- Minha vez de fazer isso no seu agora - disse pegando-o de sua mão.
Ela não fez nada, coloquei na câmera e o coloquei para cima, (seunome) deu um beijo na minha bochecha e eu tirei a foto sorrindo. A olhei e tinha ficado incrível. Na verdade, eu estava em outro mundo depois de ter ganhado um beijo da garota que eu gosto. Ela pega o celular da minha mão.
- Nossa Zayn, ficou incrível - ela disse encantada.
Eu apenas sorri.
FLASHBACK OFF
Sorri ao lembrar da cena. Fui até a janela da sala e vi (seunome) e Niall saindo de mãos dadas e entrando no carro, ela estava linda e ele com cara de sério, ele não a merecia. Subo outra vez para meu quarto e fico no computador comendo biscoito de chocolate e tomando leite.
(SEUNOME)'S POV
É amanhã, Niall vai me deixar amanhã e eu infelizmente trabalhei esse final de semana, não pude ficar com ele. Chorava em meu quarto, não queria deixar meu príncipe ir embora pra guerra, o que seria de mim sem ele? Sentiria falta do seu cabelo loiro para cima, dos seus olhos azuis, do seu sorriso e do seu aparelho, da forma que ele me segurava pela cintura quando ia me beijar e fazia meu coração disparar. Eu sentiria falta do meu Niall por completo. Eu o amo de verdade.
E tudo que ele fez por mim e o que eu fiz por ele iria acabar assim? Na verdade, o que aconteceu com a gente? Continuaremos namorando ou a gente terminou? Ele não me disse isso, fiz essa pergunta por telefone e ele disse que tinha que ir com a voz meio rouca.
De meia em meia hora eu mandava uma mensagem escrita: "Eu te amo, meu loirinho" ou "Eu te amo, meu príncipe". Queria fazer ele desistir dessa ideia.
Não iria ser tarde demais, era amanhã, não sabia o que iria acontecer com ele lá. Minha ex-secretária disse que iria servir o exército, ou seja, sem mulheres lá, e se ele me trocar por uma garota de lá? A gente não brigava, mas eu sempre tive medo de perdê-lo.
NIALL'S POV
Fiquei o dia inteiro pensando na minha princesa, em tudo que passamos juntos desde os meus 10 anos, 6 anos para ela. A tratava como irmã, minha mãe me fazia vê-la como uma irmã, mas quando (seunome) completou 10 anos, ela ficou linda, não sei como aconteceu isso, pois morávamos juntos, mas foi na volta à escola que eu descobri que estava gostando dela. Não queria assumir isso em público, pois sabiam que eu morava com ela e achavam que eu era irmão dela, nunca desmenti, sempre que falavam:
FLASHBACK ON
- Niall, olha sua irmãzinha ali - eu nunca falei nada.
Quando completei 14 anos, os garotos que andavam comigo descobriram no ano anterior que (seunome) era órfã e que minha mãe cuidava delas, então, começaram a chamá-la de órfãzinha na escola, isso me deixava muito bravo. Uma vez o garoto BadBoy da escola a parou e disse:
- Hum... Então é você que é a garota órfã da escola? - e começou a rir, eu estava um pouco distante deles, mas pude ouvir enquanto conversava com meus amigos.(seunome) estava cansada das gracinhas e o respondeu:
- Pelo menos eu tenho quem cuide de mim.
- Como é que é? - o garoto falou e a empurrou, derrubando-a no chão. Eu saí correndo e me joguei na frente dele.
- Se for bater nela, vai ter que bater em mim seu imbecil.
Ele puxou o coro de "Oun" por todos que estavam ali no pátio.
- O menininho dos dentes tortos vai defender a garota que não tem pais?
- Idiota - eu disse e dei um soco na cara dele, levantei (seunome) e saímos da escola. Ela estava chorando e aquilo fez meu coração doer, assim que viramos a esquina eu a coloquei contra a parede e a beijei.
- Niall, por que você fez isso? - ela me perguntou confusa e meu roubou um selinho.
Eu ri.
- Porque eu te amo (seunome), sempre te amei.
Ela sorriu.
- Quer namorar comigo? - perguntei.
Ela me respondeu entre beijos.
FLASHBACK OFF
Eu agora com 19 anos e ela com 15 anos, 5 anos de namoro que estava indo assim, ralo à baixo? Não queria que isso acontecesse. Fiquei pensando nela a cada coisa que eu colocava na mala. Eu a amo muito, não queria deixá-la, mas estava fazendo isso por nós, mesmo que eu nunca mais voltasse.
- Eu não posso ficar aqui parado, eu preciso vê-la - disse pegando meu violão e saindo porta à fora.
Entro no meu carro e dou partida, essa noite parecia estar mais fria do que as outras noites. Quando viro a esquina da casa da (seunome), avisto uma pessoa acendendo algo na boca, flexiono meus olhos para enxergar melhor.
- (seunome) está fumando? - pergunto pra mim assustado acelerando o carro.
Freio com tudo, assustando-a, e pego meu violão no banco do passageiro. Passo sua alça pelo meu corpo e vou até (seunome), que estava assustada de me vê e chorando. Ela estava com o rosto inchado e com os olhos vermelhos. A abracei, foi a primeira reação que tive.
- Desde quando você faz isso? - perguntei afundando sua cabeça em meu peito.
- Desde sexta-feira - ela disse chorando.
Passo minha mão pelo seu braço e consigo pegar o cigarro de sua mão, ela se afasta de mim.
- Niall, me devolve, por favor - ela fala com voz mansa.
- Se você fumar, então eu também vou - disse movimentando o cigarro em direção da minha boca.
- Não! - (seunome) disse, batendo na minha mão fazendo o cigarro cair.
Olho o apagando devido ao frio e a encaro outra vez.
- Por que você pode e eu não? - pergunto.
Ela chora mais uma vez, me abraçando.
- Porque você não pode acabar com a sua vida - ela fala entre pausas.
- E você pode?
- Mas eu te amo, Niall - ela fala e eu não tenho reação.
Subo seu rosto com meus dedos, a fazendo me olhar e a beijo. Entramos em casa ainda nos beijando.
ZAYN'S POV
Nossa, trabalhei esse final de semana, foi cansativo e chato, fiquei atendendo telefone quase o dia inteiro. A única parte legal foi que eu tinha que entregar os recados para(seunome), então eu entrava na sala dela e recebia aquele sorriso encantador, e nós almoçamos juntos também. Sou o novo secretário dela, ela não é uma segunda chefe tão insistente. Já o primeiro, nem na nossa cara olha.
Pela história que (seunome) me contou, o chefe dela é sobrinho da Maura, a mãe adotiva dela, por isso que ela trabalha lá, ela começou como faxineira e agora era subchefe. Ela é perfeita, não disse? Estava fazendo umas pesquisas para o trabalho na internet. Fiquei quase o dia inteiro.
- Cansei - disse me levantando da cama e me espreguiçando.
Viro para janela e vejo uma pessoa ao lado da casa da (seunome), toda coberta e fumando, mas espere um pouco...Não era uma pessoa, era (seunome). Desde quando ela fuma? Eu não podia permitir isso, quando eu ia descer para falar com ela vi um carro encostando com tudo, estava em alta velocidade. Niall desce do carro com um violão nas costas e a abraça, vi sua mão esquerda deslizando pelo braço de (seunome) e chegando em sua mão, tirando o cigarro da mesma. Sei que a situação não é das melhores, mas eu queria estar no lugar dele.
Saio dos meus pensamentos profundos quando vejo Niall se afastando dela para colocar o cigarro em sua boca, não sei qual foi a conversa, mas (seunome) deu-lhe um tapa na mão que o cigarro voou longe. Tive que rir da cena, mas meu sorriso não durou muito, pois eles se beijaram e isso fez com que meu coração parasse de bater por um instante. É, eu realmente não tinha chance alguma.
Niall iria embora amanhã, (seunome) me contou ontem enquanto almoçávamos, ela estava muito deprimida e isso me afeta de tal forma que era inexplicável.
- Eu preciso comer alguma coisa antes que eu caia no chão - disse saindo do meu quarto.
Em cima da minha mesa se encontrava um bolo de chocolate que eu tinha feito e nem lembrava.
- Mal comecei a trabalhar e já estou enlouquecendo – digo, destampando o bolo.
Pego uma garrafa de água na geladeira, sento na mesa e começo a comer.
(SEUNOME)'S POV
Levei um susto ao ver aquele carro freando na frente da minha casa, por um instante pensei que iriam me sequestrar, só que não.
- Droga! - pensei.
Era Niall, e eu estava fumando, o que falaria para ele? Precisava de mais uma tragada, e foi o que fiz. Vi seu olhar preocupado para minha mão quando o próprio veio em minha direção.
Quando ele aproximou nossos rostos, senti uma coisa diferente, eu estava usando o cigarro para afundar a dor que eu estava sentindo com a futura partida de Niall, o problema é que eu já estava viciada em 4 dias.
Entramos em minha casa aos beijos, mas eu estava com uma vontade excessiva de chorar. Virei para a escada e subi correndo, ouvi os passos de Niall atrás de mim. Ele colocou o violão na cama e meu celular tocou bem nesse momento, eu vi a foto da poltrona ao esticar meu rosto, nos olhamos e eu me joguei na cama para atender, mas ele foi mais rápido.
Niall encarou por um tempo a foto em meu visor e depois atendeu.
LIGAÇÃO ON
- Alô? - Niall fala me encarando.
- (seunome)? - Zayn pergunta. "Sim, era Zayn".
- Não! Niall!
- A (seunome) se encontra?
- Sim, mas ocupada, quer deixar recado?
"Não entendi o que Zayn respondeu dessa vez".
- Ótimo - Niall encerra a ligação.
LIGAÇÃO OFF
Niall não iria ter crise de ciúmes agora, ou iria? Niall vasculhava meu celular e eu permanecia ali jogada na cama o encarando. Ele senta na minha poltrona e solta um suspiro forte e decepcionado.
- O que eu fiz? - perguntei quebrando o silêncio.
Niall joga meu celular na cama com a foto aberta.
- Não irá ficar sozinha na minha partida - Niall falou - Ele parece ter gostado do beijo.
Me levanto da cama e fico na frente de Niall.
- Para Niall, eu te amo e basta. Não quero saber mais de nenhum garoto.
- Não é o que parece.
Niall estava com ciúmes. Me sento no colo de Niall, de frente para ele, começo a beijá-lo, passo minha mão pelo seu corpo e encontro seu cinto, quando estou abrindo Niall se levanta comigo no colo e me coloca na cama.
- Não posso - ele fala - Vou querer mais e mais e isso não vai acabar bem.
Tampo meu rosto e sou surpreendida pelo toque do seu violão. Fico deitada de barriga para baixo enquanto ele toca e canta com aquela sua voz suave, mas tão gostosa de se escutar. Ele cantava quando mais jovem, mas abandonou sem motivo, ele podia seguir sua carreira de cantor, que era seu sonho, mas ele escolheu o exército.
- (seuapelido)? - Niall me chama.
Eu viro, sento na cama e olho para ele.
- O que foi? Você está triste? - Niall pergunta passando a mão nos meus cabelos.
- Vou escutar quando sua canção tocar e não tê-lo em meus braços para beijá-lo e... - eu começo a chorar e não termino de falar.
- Não (seuapelido), não chora, se não eu vou chorar junto - Niall fala colocando o violão na poltrona e me abraçando.
NIALL'S POV
(seunome) afunda seu rosto molhado em meu peito, eu ia chorar, não aguentava vê-la assim, e o pior é que eu sabia, de fato, a dor que ela estava sentindo.
Fico fazendo carinho nela, nos beijamos e conversamos um pouco até que ela cai no sono. Estava tarde, eu tinha que ir, pois era amanhã minha partida para o meu novo futuro. Dou um beijo em sua cabeça e parto para minha casa, ao chegar pego de peça minha câmera de vídeo que tinha guardada com os nossos momentos. Revejo alguns escutando um CD que estava no DVD e eu nem sabia qual era.
- Eu vou gravar uma mensagem para (seunome). Isso, é isso que eu vou fazer - digo levantando da minha cama e montando o tripé da câmera.
Coloquei uma música de fundo e liguei a câmera. Terminando, eu editei no computador e fiz um DVD para ela. Avisei para minha mãe passar em casa para pegar e entregar à ela, pois não queria mais vê-la chorando.
Deito na minha cama para tentar dormir depois de arrumar minha pequena mala, não podia levar muita coisa para lá. Foi uma noite chata, só rolava na cama, (seunome) não saía da minha cabeça, eu cresci com ela, eu me apaixonei por ela, eu jurei nunca a deixar, mas eu precisava ir.
Nove horas e eu já estava de pé me arrumando, última olhada para meu quarto, eu iria sentir saudade daquele lugar, foi ali que passei metade dos meus dias de amor com(seunome). Desço as escadas e encontro minha mãe com os olhos cheios de lágrimas. A abraço.
- Mãe, disse que não queria choros - disse.
- Mas eu não estou chorando - ela disse forçando um sorriso.
Separo nossos corpos e sorrio para ela. Entrego o DVD que ela tinha que entregar à (seuapelido) e pego minha bolsa pequena que tinha soltado no chão. O ônibus buzina, estava na minha hora, dou um beijo no topo da cabeça de minha mãe, que agora estava se desvaindo em lágrimas. No meio fio da calçada dou a última olhada para minha casa e entro no ônibus.
Todos aqueles caras ali sentados, com uma personalidade diferente, com um motivo para estar ali. Sento ao lado de um cara cheio de piercings e dois alargadores. Ele me olha mascando chiclete e depois volta a olhar a janela.
Chegamos ao nosso destino, descemos do ônibus e fazemos fila indiana. Acho que o cara que estava atrás de mim tropeçou, o instrutor foi até ele e começou a gritar.
- Presta mais atenção, se você fizer isso numa guerra, todos podem morrer - o cara gritava.
Que exagero, o cara só tropeçou, deve estar nervoso. O instrutor voltou à nossa frente, ele tinha uma cara fechada, cara de bravo, carrancudo, eu estava começando a ficar com medo.
Ele nos leva para uma sala que parecia abandonada, cento e três garotos se encarando numa sala com duas janelas perto do teto sujas, o ventilador era de teto e não fazia vendo nenhum, pois girava que nem uma besta lerda cheio de poeira. As teias de aranha no canto da sala, aquilo era realmente nojento.
Um por um ia entrando numa porta que tinha nessa sala, não sabíamos o que era. O garoto de moicano rosa e lápis preto nos olhos entra e deixa uma brecha da porta aberta.
Pelo espelho que a sala possuía pude ver o moicano tendo um fim. Tínhamos que raspar o cabelo. Passo a mão na minha cabeça colocando meu cabelo por dentro dos dedos.
A (seunome) gostava do meu cabelo desse jeito, por isso que ele estava assim.
- Niall James Horan? - a voz grave me fez pular no acento.
Me levanto e vou em direção à porta acompanhado dos olhares dos outros garotos. Chegou a minha vez, adeus cabelo. Sento na cadeira que era de couro verde e já estava rasgando, fico de frente ao espelho e o barulho da máquina começa.
- Posso? - o cara me pergunta.
Faço que sim com a cabeça e começo a acompanhar os movimentos do homem que raspava minha cabeça e via meu cabelo caindo sobre meu corpo. Me senti fraco e deixei uma lágrima escaparem de um dos meus olhos e escorrer pelo meu rosto.
- Vai ficar tudo bem, filho - o homem fala dando dois tapinhas no meu ombro e me olhando pelo espelho.
Forço um sorriso e me levanto da cadeira. O mesmo homem que me chamou para entrar nessa sala me parou.
- Niall? - ele disse.
- Sim? - digo.
- Você vai dividir o quarto com Cam.
Balanço a cabeça na positiva e ele aponta para o final do corredor, onde se encontrava meu quarto, esse cara parecia simpático. Chego em frente a porta e bato, pressiono a maçaneta e entro. Tinha um garoto sentado na cama ao lado de costas para a porta.
- Cam? - pergunto entrando devagar.
O garoto vira ficando com as pernas em cima da cama e sorri para mim. Eu fecho a porta.
- Niall? - ele pergunta.
- Sim - digo sorrindo.
Nos cumprimentamos e eu sento na cama de ferro velho enferrujado e colchão gasto que, a partir de hoje, seria a minha. Pego minha pequena mala e começo a arrumar meu canto, assim como ele enquanto conversávamos. Eu possuía um criado-mudo antigo de madeira. Coloco um porta retrato com a foto da minha mãe e a foto de(seunome) que eu mais gostava (n/a: imagina a foto que vocês mais gostam de vocês).
- Sua namorada? - Cam pergunta, fazendo eu tirar os olhos da foto e olhar para ele.
- Bem, até ontem era - digo.
- Como assim? - Cam me pergunta confuso.
- É uma história muito longa - digo balançando a cabeça.
- Adoro histórias - ele fala.
Já vi que vou gostar desse garoto.
- Assim - comecei - a gente namora há cinco anos, mas fomos criados juntos - contei nossa história - E ela tem uma foto dando um beijo no rosto do Zayn, que é o novo vizinho dela, e eu acho que está sim rolando alguma coisa entre eles - disse desabafando dessa vez - e como eu vim pra cá e não sei se volto, talvez ela possa ter terminado comigo.
Cam estava com a boca assim "O".
- Nossa cara, escreve um livro com a história de vocês.
Eu ri, foi espontâneo, ele era bem legal. O dia que deram para conhecer nosso colega de quarto acabou virando uma conversa sobre nossas namoradas ou ex, não sei. Saímos para fazermos as refeições e nossas necessidades, mas sempre conversando.
- Ei! Niall, esqueci de perguntar, quantos anos você tem? - Cam fala depois de dar uma mordida no seu pão doce.
- 19 - disse - e você?
- 21 - Cam fala dando um sorriso - e a (seunome)? - ele pergunta.
- 15 - digo.
Cam se engasga com o suco depois que eu disse "15", o que isso tem demais?
- E vocês... - ele começou a sussurrar - já fizeram "aquilo"? - ele disse fazendo aspas com a mão.
- Já. Não forcei-a a nada, foi por livre espontânea vontade nossa - disse e sorri.
- Uau.
Ele sempre falava "Uau", e isso sempre me fazia rir.
ZAYN'S POV
Com a partida de Niall, (seunome) quase não falava com ninguém, na verdade ela não falava, só atendia aos telefonemas e falava quando necessário, ela estava na fossa, isso eu posso nomear sem culpa. Me aproximei mais dela dando força. Ela ia à minha casa quando quisesse e eu o mesmo na dela, nunca deixávamos nossas portas trancadas por causa disso.
Éramos melhores amigos agora, ela me contava tudo e eu o mesmo, só não contei que sou apaixonado por ela, nem que eu não gosto do Niall. Não parecia, mas dois meses já tinham se passado. Cansei de escrever, o relatório era grande, mas eu finalmente terminei, será que a (seunome) também? Coloquei um casaco e fui até a casa dela.
- (seunome)? Estou subindo - anunciei, mas não tive nenhuma resposta.
Por um momento pensei que ela estivesse dormindo, subi as escadas e abri a porta do quarto dela. Escutei um barulho diferente no banheiro, fechei a porta depressa e abri a porta do banheiro que estava apenas encostada. (seunome) estava ajoelhada com a cara no vaso, ela estava vomitando.
- (seunome)? Meu amor, o que aconteceu? - pergunto me jogando no chão e segurando seu corpo.
Seguro seus cabelos com uma mão e com a outra fiquei segurando seu braço, ela estava mole e branca. Com minha ajuda ela se levanta e vai até a pia, eu dou descarga enquanto ela lava a boca.
- Zayn, vai embora, não quero que você me veja assim - ela disse arrastado, até sua voz estava fraca.
- De jeito nenhum, você acha que vou te deixar sozinha assim? Posso até ir, mas eu ligo pra Maura - eu disse.
- Não faça isso - ela disse.
(seunome) foi em direção a porta, deitou em sua cama e eu me sentei ao lado.
- Você está comendo? - perguntei.
Ela fez que sim com a cabeça. Será que ela comeu alguma coisa que não a fez bem? Fiquei mais um tempo com ela ali, a distrai, vimos filme, a fiz comer algo que a sustentasse sem ser as barras de cereal que ela estava comendo.
- Vou até a cozinha - disse - Fique quietinha ai.
(seunome) sorriu pra mim e eu fui pra cozinha, lavei a louça e voltei para o quarto, ao abrir a porta vejo (seunome) na janela.
- (seunome)? Está se sentindo melhor? - perguntei.
Percebi sua movimentação estranha antes de virar pra mim. Ela fez que sim com a cabeça, mas ficou com os braços pra trás.
- Algum problema? - pergunto me aproximando.
- Não - ela fala.
Quando chego à frente dela, sinto o cheiro de cigarro, eu não acredito que ela ainda estava fumando.
- (seunome), eu não acredito! - disse sério.
- É só um, Zayn - ela disse com voz triste.
- Você prometeu que iria parar (seunome) - disse o pegando da mão dela.
Viro e vou em direção da cama, pegando o celular.
- O que você vai fazer? - (seunome) me pergunta.
LIGAÇÃO ON
- Alô? - Maura fala do outro lado.
- Maura? É o Zayn!
- Ah, olá Zayn. Algum problema?
- Sim, (seunome) voltou a fumar.
- O quê? - Maura falou espantada - Estou indo pra casa dela, mas não diga nada.
- Okay.
LIGAÇÃO OFF
- Por que você falou pra ela? - (seunome) me pergunta.
- Era o certo - disse.
- E o que ela disse?
- Nada - disse - Vou pra minha casa.
Vou pra minha casa, Maura saberia o que fazer, (seunome) estava muito estranha. Mas eu continuava a amando.
(SEUNOME)'S POV
No dia em que Niall partiu, Maura me entregou um vídeo feito por ele. Coloquei no DVD e pedi que assistisse sozinha, Maura respeitou meu espaço. Dei Play.
(n/a: coloca esse clipe pra tocar!)
DVD ON
Oi meu amor, eu sei que estou partindo amanhã, mas talvez não seja para sempre, então... (Risos), não quis ir falar com você pessoalmente, pois ver você chorando me partia o coração e me dava vontade de desistir de tudo, mas não posso, o que estou fazendo é para nós dois.
Não sei se você vai terminar comigo a partir do momento em que eu entrar naquele ônibus e me juntar àquelas pessoas diferentes, mas juntas por um objetivo.(seuapelido), eu te amo! Não só de hoje, mas desde o dia que você chegou lá em casa, uma pirralhinha, mas a minha pirralhinha.
Eu enfrentei tudo e todos para ficarmos juntos, e por mim ficaremos até que a morte nos separe. Você uma vez disse pra mim que só se entregaria depois do casamento, e agora eu lhe digo: Obrigada por ter feito isso antes. Foi a melhor noite da minha vida, e eu espero que tenha sido a sua também, meu amor.
Não tenho mais nada a dizer, eu queria te abraçar e te beijar, mas isso nem tão cedo será possível, minha princesa. Eu te amo.
DVD OFF
Niall beija a câmera e termina com três fotos nossa juntos. Eu já estava chorando. Passou-se dois meses, havia prometido a Zayn que pararia de fumar após termos virados melhores amigos, ele ia à minha casa e eu na dele, uma verdadeira amizade. Maura sempre estava presente na minha vida, uma vez por semana ela ia me ver, ou eu depois do trabalho ia na casa dela.
Zayn me viu fumando e vomitando, muito obrigada, ele ligou pra Maura e eu não sei o que eles falaram, estou curiosa. Estava com os hormônios à flor da pele, se Niall estivesse aqui, ele mataria meu desejo, mas não estava. Eu tenho 15 anos e nunca senti isso. Deve ser meu corpo mudando.
Eu estava deitada na cama, com febre pra ajudar, quando Maura entrou no quarto.
- (seunome), você está bem? - Maura me pergunta após entrar no quarto.
- Não! Me leva no hospital? - digo.
Maura não pensou duas vezes, me ajudou a levantar da cama e me levou para o hospital. Foi uma médica que me atendeu, super simpática. Perguntou o que eu tinha e ela me examinou, ao tocar na minha barriga liberou um sorriso enorme.
- Não sorria, estou com minha menstruação atrasada e estou inchada, estou com os hormônios à flor da pele e com desejos estranhos - disse corando ao falar essa última frase.
- Minha querida - ela disse, se dirigindo a Maura - Você é mãe dela?
- Parcialmente! - Maura respondeu.
Eu desci da maca e estava prendendo minha bata.
- Ela está gravidíssima - quando ela falou isso, eu e Maura nos olhamos e fomos interrompidas pela médica - Mas eu não entendi o por que de tanta febre. Você faz algum esporte, come algum tipo de comida diferente ou consome alguma coisa inapropriada?
- Eu fumo - fui direta.
A médica fica espantada.
- Minha flor, 15 anos, fumante e grávida? Por quê?
Não respondo, ela me manda parar de fumar e fazer repouso, ou seja, trabalhar só em casa. No carro foi um silêncio.
- Maura? Você está com cara de interrogação - digo - Pode perguntar se quiser.
- Esse filho é do Zayn? - ela pergunta.
- Não! – digo, quase gritando na defensiva - É do Niall.
- Niall? - ela liberou um pequeno sorriso - E por que ele nunca me falou de vocês terem... - não a deixo concluir.
- Porque a gente queria que fosse segredo, e esse segredo gerou esse pequeno feto.
Maura dá uma gargalhada e eu fico meio confusa.
- Que foi? – pergunto, já me jogando para o lado da porta.
- Não acredito que vou ser avó - ela olha pra mim e sorri, volta a olhar para a estrada e coloca sua mão na minha barriga - Niall precisa saber.
- Não - digo.
- Não? - Maura pergunta confusa - Por quê?
- Porque se não ele vai querer ficar ao meu lado, e eu quero que ele siga o sonho dele.
Não demora muito e chegamos à porta da minha casa. Zayn estava me esperando. Maura vai embora e eu cumprimento Zayn com um abraço.
- Por que demoraram? - Zayn pergunta.
- A médica estava me dando uns conselhos - digo entrando em casa.
Zayn entra e acende a luz.
- Sobre? - ele pergunta, me seguindo até a cozinha.
Não podia dizer a ele que estava grávida, eu tinha que mentir pra ele. Eu nunca menti pra ele, mas era necessário, essa gravidez só podia ser "conhecida" por Maura e eu.
- Cigarro - menti - Disse que eu passei mal porque estou fumando demais - dei de ombros.
- Concordo com ele, por isso, passe todas as suas caixas que eu sei que você tem um monte. Não fumarei, mas sei para onde irei levar.
- Não jogue fora, eu gastei dinheiro nisso.
- Não irei jogar, não se preocupe - Zayn abre um sorriso forçado para me fazer rir. Deu certo.
- Zayn? - o chamo.
- Sim?
- Se eu pedir para você me deixar sozinha, você iria ficar bravo comigo? - pergunto insegura.
- Claro que não, mas qualquer coisa... Grite, eu virei correndo.
Sorrio e dou um beijo em seu rosto, vejo Zayn saindo e subo correndo as escadas, deito na minha cama com a luz apagada, não queria ver nada, apenas ficar afundada nos meus pensamentos. Eu tinha um pedaço de Niall dentro de mim, passando a mão pela minha barriga, me imagino te abraçando e você perguntando se está tudo bem comigo. Meu coração dispara e uma lágrima escorre pelo meu rosto chegando ao travesseiro que Niall dormia.
- Niall - falo entrando em prantos.
Eu estava grávida de dois meses e oito dias, segundo a médica, ia começar a parar de fumar com a ajuda de Zayn, mas sabia que não iria ser fácil. Zayn, de fato, não podia saber desse bebê, embora eu saiba que minha barriga vá crescer, mas é apenas um segredo... Um segredo que depois de tanto tempo eu estou escondendo dele.
Minha vida agora? Eu não sei. Sou uma garota de 15 anos abandonada pelos pais, criada pela mãe do garoto que eu amo e que é pai da criança que estou esperando, o mesmo está no exército e corre o risco de não voltar, tenho um emprego e sou subchefe, moro sozinha. Eu sou adulta desde os meus 12 anos e agora mãe aos 15.
NIALL'S POV
A comida daquele refeitório não era boa. Empanada ou crua, como eu iria sobreviver, sinto saudade da comida da minha mãe e da (seuapelido). Aliás, como elas devem estar? Não podemos falar com nossos familiares, isso é uma tortura. Se passaram três meses e quatro dias, estou riscando um calendário onde tem nossa primeira disputa, ou melhor, nossa primeira guerra. Eu tinha que ter o sangue frio para pegar naquelas armas enormes, eu tinha pavor de arma até entrar ali. Eu não gosto de violência, mas é para salvar quem precisa.
Fico imaginando todos os dias o que (seunome) está fazendo nesses três meses e quatro dias sem mim. Será que ela já arranjou um namorado? Acho que ela está com o Zayn.
Eu podia mandar uma carta para ela, mas estava sem coragem de fazer isso, não podia ficar fraco nessa altura. Eu estou perto da luta. A sirene do refeitório tocou tão alta que me tirou dos pensamentos de forma rígida.
- Todas no pátio - O sargento dizia com aquela voz rouca e cheia de e ordem.
Todos seguimos para o grande pátio de areia que tinha logo atrás do refeitório. Em fila indiana ficamos em sentido esperando que ele aparecesse. Não gosto do boné que usamos, mas que bom que estávamos com ele hoje, pois o sol estava muito quente. Aquele macacão queimava por dentro, ele é pesado.
O sargento e o comandante aparecem e ficam andando de um lado para outro analisando cada um que estava naquele grande espaço e naquela fila indiana bem organizada.
- Teremos um confronto amanhã - O sargento dizia. Meu coração gelou e disparou - Vou escolher alguns rapazes que se destacaram mais e que eu acho que vale a pena ir.
- Já os outros - agora foi a vez do comandante - ficaram aqui caso aconteça alguma coisa e tenhamos que substituí-los.
Percebi todos engolindo em seco com medo. Eu estava nervoso.
- A prancheta - pede o sargento. Ele olha os nomes nas sete folhas brancas ali presentes.
Ele começou a falar o nome de alguns, até o cara que tinha um moicano rosa foi.
- Julio e Niall - o sargento falou e foi a conta certa para que meu corpo todo recebesse uma onda gelada de adrenalina.
Olho discretamente para Julio, e ele fazia um sinal de "Yeah" para mim. Depois de mais uns 15 minutos escutando ele falar alguns nomes e explicar algumas coisas que eu não estava prestando atenção, ele finalmente diz o lugar.
- Vocês vão ficar no "Morro do Alemão", no Rio de Janeiro, Brasil - o sargento fala.
- Onde a mãe da (seunome) mora - penso comigo mesmo.
- Arrumem suas coisas e voltem para cá. Vocês tem que embarcar hoje ainda - o comandante fala - Vão logo, lesmas - ele conclui.
Julio estava todo empolgado no quarto, não parava de pular e falar, eu apenas olhava para a foto de (seunome) que estava ali no meu criado-mudo. Não sabia meu destino, mas era tudo por ela. Ponho sua foto e a da minha mãe na minha pequena mala e saio do quarto com Julio.
Já tinha um carro nos esperando com alguns dos nossos parceiros de treino, foi legal a viagem até o aeroporto e depois até o Brasil.
Quando descemos do avião conseguimos sentir o quão quente era esse lugar.
- Minha nossa - Julio fala - Eu estou ferve
ndo.
- Nem fala - digo analisando o lugar. Era realmente muito bonito. Continuamos nosso trajeto à noite até o segundo batalhão do Rio de Janeiro. Os homens que estavam na frente dirigindo falavam numa língua que eu definitivamente não entendia absolutamente nada. Dou de ombros e continuo fingindo que estou prestando atenção na conversa de Julio.
Chegamos ao batalhão. Era grande e bem estruturado.
- Aquela lá é o "Morro do Alemão" - o tenente fala sorrindo.
Ele parecia mais legal do que o nosso lá na Inglaterra.
- Peço que vocês tomem muito cuidado. Os caras que estão lá são muito perigosos - ele conclui.
- Mesmo tendo muito de nós eles vão nos atacar de maneira agressiva? - foi Julio que falou.
- Sim. Pra eles não importa. Você pode ser até Deus, eles vão atirar em você - o tenente fala e continua a nos mostrar os lugares.
Nos afastamos um pouco do grupo.
- Foi um prazer te conhecer - Julio fala quase num sussurro pra mim.
- Por quê? - pergunto confuso.
- Esses homens são perigosos, cara! - Julio fala de uma maneira engraçada, que acaba me fazendo rir.
- Para de ser dramático, Julio.
ZAYN'S POV
(seunome) querendo ficar sozinha? Alguma coisa tinha. Não falei nada na hora, pois ela me pediu de uma forma tão fofa que não tinha como dizer não. (seunome) não estava indo mais trabalhar no escritório. Ela trabalhava em casa mesmo.
Segundo (seuapelido), a médica disse que ela precisa repousar por causa da pressão no trabalho e que talvez tenha sido isso que tenha causado o começo do fumo.
Eu duvido muito. Acho que a causa disso foi Niall. Três meses e meio se passam. Eu e (seunome) não nos víamos mais.
LIGAÇÃO ON
- (seuapelido)? - digo.
- Oi Zayn! - (seuapelido) fala.
- Não quer vir aqui em casa assistir filme?
- Claro, que horas?
- Quando você estiver livre - queria ter dito agora.
- Hum... Pode ser agora? - ela pergunta, notei a insegurança em sua voz, mas era o que eu queria ouvir.
- Claro! Te espero. Beijos.
- Beijos.
LIGAÇÃO OFF.
(seunome) estava vindo agora para minha casa. Ela nunca comia nada vendo televisão, disse que a engorda, então era só: eu, ela e o filme.
- Zayn? - ela me chama e eu ouço a porta se fechar.
- Aqui em cima - grito do meu quarto.
Ela subiu as escadas devagar. Ela entra no meu quarto sorrindo, me dá um abraço apertado meio distante e um beijo no rosto. Ela estava vestida num moletom rosa, eu achei estranho, (seuapelido) nunca saía de casa de moletom, mesmo sendo para minha casa.
Seu cabelo estava preso num rabo de cavalo. Ela se joga na minha cama.
- O que vamos ver? - ela pergunta.
Nossa, eu na verdade não queria ver nada com ela em minha cama, apenas fazer outra coisa, mas como isso não iria ser possível...
- 500 dias com ela - digo mordendo o lábio enquanto a analiso na minha cama deitada daquele jeito.
Sentia que seu corpo de chamava de uma maneira discreta. Dou "play" e saio correndo para deitar ao lado de (seuapelido). Nós passamos o filme todo assim: eu a abraçando por trás enquanto ela encostava sua cabeça no meu peito descoberto. Nossos corpos estavam mais do que juntos, sentia seus batimentos e sua respiração.
(seunome) fazia carinho na minha mão durante o filme.
- Ai meu Deus. É lindo! - ela exclama encantada ainda olhando para a TV que subia os créditos.
- Eu também achei - digo olhando para ela.
(seunome) levanta a cabeça e encontra meus olhos, nos encaramos por um tempo e ela solta um sorriso tão meigo. Não aguento, vou aproximando nossos rostos e ela não faz nada, apenas acompanha, sentia sua respiração quente em meu rosto até que nossos lábios se encontram.
Uma onda de calor e choque toma meu corpo, nos beijamos devagar e apaixonadamente, o encontro de nossas línguas me fazia ficar ofegante. Comecei a aumentar a velocidade de nosso beijo, passei devagar de trás dela para ficar em cima, ela não fez nada. Comecei a alisar seu braço enquanto nos beijávamos e coloquei minha mão dentro do seu moletom para acariciar suas costas.
Quando estava passando para sua barriga ela segura meu braço com tal força que nunca vi antes, com o susto afastei nossos lábios.
- O que houve? - pergunto assustado, ficando de joelhos na cama.
- Eu não posso! - ela diz assustada.
- Não é por causa daquele idiota do Niall, não é? - pergunto.
- Idiota? - ela repete - Nossa, não esperava isso de você!
(seunome) começa a se levantar da cama.
- Aonde você vai? - pergunto.
- Da onde não deveria ter saído - (seunome) diz.
- (seunome), me desculpa, eu não queria te forçar a nada, mas é que... Eu te amo! - por fim digo.
(seunome) para no meio da escada, respira fundo e volta descer. Chegamos à rua que estava deserta.
- (seuapelido)! - digo e seguro seu braço no meio da rua.
- O quê? - ela diz virando sua cabeça e jogando seu rabo de cavalo para o lado.
- Eu sei que você ama o idiota do Niall, mas eu não quero que você troque um amor por uma noite. Eu só te amo e te quero.
- Me desculpa Zayn, mas eu amo o Niall, e se você chamar ele de idiota mais uma vez, eu nunca mais falo com você.
Solto o braço dela com uma força que a fez andar para o lado um pouco.
- Então vai lá ficar olhando para uma foto do Niall enquanto aquele idiota está no exercito te ignorando.
Vi que ela ficou vermelha quando eu disse isso. Ela olhou pra baixo, se aproximou de mim, depois olhou bem fundo nos meus olhos.
- Tão idiota que foi capaz de fazer um filho em mim. Coisa que você não fez - (seunome) cospe essas palavras na minha cara e sai andando para casa.
Não tinha reação, era isso mesmo que eu tinha entendido? (seunome) estava grávida do Niall? Minha garotinha de 15 anos esperando um filho do Niall? Eles se uniram primeiro do que eu?
(SEUNOME)'S POV
Abro meus olhos em meio a escuridão que ainda estava no meu quarto, estico minha mão e pego meu celular que estava do outro lado da minha cama.
- Nossa - digo depois da claridade do meu visor bater em meus olhos - Oito e meia da manhã.
Coço meus olhos e me mexo na cama. Sinto uma coisa meio estranha entre minhas pernas, tiro as mãos dos olhos e as passo nas minhas pernas.
- Está molhado? - pergunto confusa. Me levanto da cama com dores abaixo da barriga, ela já estava enorme, acendo a luz e vejo meu vestido sujo de sangue.
- Aaaaaaahhhhhhh - Minha única reação foi gritar. Pego meu celular com urgência na cama e ligo para Maura.
LIGAÇÃO ON
- Bom dia minha flor - Maura fala com entusiasmo do outro lado.
- Maura, eu estou sangrando, minha roupa está toda suja de sangue - choro - eu não sei o que eu faço.
- Ca-calma minha filha, eu estou indo para sua casa. Não faça nenhum esforço, ouviu? - Maura fala rapidamente.
- Sim!
LIGAÇÃO OFF
Eu estava chorando, eu não podia perder meu filho, não agora que já estava terminando. Não estava mais falando com Zayn, ele me ligava todos os dias, mas eu recusava suas ligações e voltei a trancar a porta da minha casa. A única coisa que me lembro dele foi quando disse que estava grávida e ele ficou espantado e parado na rua. Não demora muito e Maura chega na minha casa.
- Venha minha filha - ela diz abrindo a porta do meu quarto com tudo.
- O que ele está fazendo aqui? - pergunto assim que vejo Zayn virando porta adentro.
- Vou precisar da ajuda dele querida, deixe suas diferenças de lado, pelo menos agora - Maura olha para Zayn - Pegue-a e leve-a para meu carro.
Zayn faz o que ela manda, ele me pega nos seus braços fortes e quentes e desce as escadas comigo, ele não disse uma palavra e nem sequer olhou para mim. Ele me coloca no banco de trás do carro e senta ao meu lado. Maura fecha a porta do motorista e dá partida.
Zayn passa a mão na minha barriga e faz com que eu vire meu rosto com tudo para ele assustada, analiso ele alisando minha barriga e seus olhos encontram o meu.
- Está doendo? - Ele pergunta preocupado.
Eu conseguia ver a preocupação em seus olhos, não podia ser rude com ele, não agora.
- Muito - disse.
- Vai passar - ele fala olhando profundamente em meus olhos - Eu prometo!
- Não prometa - digo rapidamente.
- Por quê?
- Eu não sei o que está acontecendo - mexo no meu vestido - Olhe. Eu estou sangrando.
O carro para e Zayn me pega outra vez no colo, agora para me levar para dentro do hospital. Ele me coloca numa cadeira de rodas e um enfermeiro me leva para uma sala. Ele me deita numa maca e começa a apertar algumas partes da minha barriga.
- Aqui dói? - ele pergunta.
- Sim - respondo.
- E aqui? - Ai - grito de leve - Sim.
Zayn estava roendo as unhas.
- Aqui em baixo dói? - o enfermeiro pergunta e eu respondo com um grito.
- Senhora, eu já volto - ele se referia à Maura agora - Não a deixe fazer absolutamente nada.
Ele se retira da sala e Zayn estava indo atrás dele.
- Zayn? - o chamo. Ele apenas vira e olha para mim - Aonde você vai?
- Eu... Eu não sei - ele diz confuso.
- Não me deixe, por favor, já não bastam os oito meses que não nos falamos?
Zayn morde o lábio superior e corre para me abraçar. Maura senta na poltrona.
- Me desculpe, eu fui um tolo, eu só não queria te perder - Zayn fala já chorando.
- Me desculpa! - digo.
O médico entra na sala fazendo nos afastar. Ele me olha e vira para Maura.
- Ela vai ter que ter o bebê agora ou será um risco para os dois - o médico conclui.
Maura se levanta assustada.
- O que estamos esperando então? - enfim ela fala.
Eles me levam nessa maca mesmo, deixo Maura e Zayn com os olhos preocupados, foi tudo que consegui ver quando a porta da sala de cirurgia se fechou.
NIALL'S POV
Não conseguia fazer flexão, uma coisa ruim em meu peito estava me dominando, mas eu não podia falhar, nossa batalha seria a duas semanas, não queria decepcionar o tenente. O sino toca, hora da refeição, hoje seria purê de batata com bife. Será que eu aguentaria? Estava quase desistindo, mas se eu voltasse para casa, só teria minha mãe. Penso que (seunome) esteja com Zayn.
- Ei? Chamando Niall para terra. Cara, toma cuidado com isso, já pensou se acontece em meio a uma guerra? - Julio chamava minha atenção.
- Me desculpa cara, estava pensando na minha casa, sabe, Rio de Janeiro é muito quente, eu não estou acostumado a isso. Gosto muito do frio da Inglaterra - digo colocando uma colherada de purê na boca.
- Mas esquece isso, é daqui a duas semanas, não faça nenhuma besteira - Julio fala - Tem maçã para nos fortalecer, vai querer?
- Você vai pegar? - digo erguendo uma das sobrancelhas.
- Claro! - Julio fala com empolgação.
- Então eu quero sim.
A maçã era bem doce, estava boa, isso me lembrou (seunome), quando ela fazia brigadeiro para colocar na maçã, eu não entendia muito bem isso, mas ela dizia que era gostoso, até que um dia tomei coragem e comi, e não é que era bom mesmo?
Como será que minha princesa estava?
- Senhores, hoje iremos aprender a usar os tanques - O tenente me tira dos pensamentos profundos - Armas vocês já usaram, espero que na hora saibam usá-las...
Todo aquele falatório estava me deixando com sono, mas quando começamos a treinar, foi realmente muito empolgante, sempre tive curiosidade de como era um tanque por dentro.
Julio sempre estava em meu grupo, esse cara realmente era legal e gostava de mim, às vezes ele notava, na verdade ele sempre nota quando estou triste, com saudade da(seunome) e ele pede para eu contar coisas que fazíamos juntos ou histórias que ela contava e que eu contava.
Ele me faz muito bem, posso considerá-lo um irmão de pouco tempo.
- Ai - gritei.
- Tudo bem Niall? - O tenente pergunta.
- Está sim Senhor, só dei mau jeito no meu tornozelo, mas está tudo bem.
- Assim espero. Vá até a cozinha e faça uma bolsa de gelo. Julio o acompanhe e os outros, voltando ao trabalho.
Julio me ajudou chegar até a cozinha. Dona Marilda trouxe para mim uma bolsa de gelo, estava uma delícia naquele calor, eu estava derretendo dentro dessa roupa e dessa bota.
- Você acha que vai melhorar - Julio pergunta preocupado.
- Claro, só foi uma torção de leve - sorrio para ele - Não precisa se preocupar, deve inchar até amanhã, mas nada demais.
- Assim espero - Ele imita o tenente falando e nós caímos na gargalhada.
ZAYN'S POV
Fiquei surpreso quando Maura me ligou, mas me preocupei quando disse que (seunome) estava correndo risco, não sabia o que era, na verdade ela disse, mas não entendi mais nada a partir do: "(seunome) está sangrando muito, corre o risco...", não entendi mais nada. Ela falava enquanto dirigia, consegui ouvir o carro dela encostando e voei da minha casa para a rua.
Saímos correndo escada à cima e ignorei o que (seunome) disse, que na verdade eu nem ouvi, apenas dei a volta pela cama e a peguei no colo como Maura havia mandado.
Quando estávamos no carro pude ver o sangue na parte de baixo do vestido, ela estava abortando, propus em minha mente, minha mão involuntariamente foi até a barriga dela, que se encontrava enorme. (seunome) estava gorda, mas só na barriga, isso era estranho. A maneira que ela falou doce comigo, fez com que eu falasse no automático e não prestasse atenção no que eu estava falando.
Aliás, o que eu estava falando? O carro encostou e eu a peguei outra vez no colo a colocando numa cadeira de rodas, foi muito rápido quando o enfermeiro nos levou a uma sala. Ele começou a apertar a barriga dela depois de colocá-la numa maca.
Ouvi-la gemer de dor estava doendo meu coração e comecei a roer unha. Após a saída do enfermeiro, pensei em sair também e deixá-las sozinhas para conversar sobre o bebê, não sabia o que podia acontecer.
Depois do nosso pequeno diálogo e do que ela disse, eu não resisti e tive que abraçá-la e chorei. Desculpe, sou um garoto apaixonado e minha pequena estava esperando um filho, queria tanto que fosse meu...
Ela tinha que fazer um parto de imediato, o que iria acontecer com ela? (seunome) é frágil, só tem 15 anos, muitas coisas ruins passaram pela minha cabeça. Eu a segui junto com Maura até a sala de cirurgia e a porta se fechou, daqui pra frente eu não podia fazer mais nada.
(SEUNOME)'S POV
A maca era quente, dura e tinha umas coisas que me incomodava, uma luz enorme em cima de mim. Meus pés estavam em cima de uns ferros fazendo minhas pernas ficarem abertas, isso me deixou com vergonha, só Niall tinha visto minha intimidade até então.
- Veja se ela tem dilatação - O médico fala.
- Tem sim senhor - O enfermeiro fala.
Ai meu Deus, ele estão olhando para a minha intimidade. O médico senta num banquinho em frente as minhas pernas.
- Vamos querida, você tem um número grande de dilatação, faça força e você não sofrerá - O médico fala.
Uma enfermeira segura minha mão e eu faço força. Nossa, que sensação diferente que eu senti, respirei, respirei, mas uma vez fiz força. O que foi isso que eu senti?
- Mais um pouco minha jovem, a cabeça já está aparecendo - O médico fala.
Então foi a cabeça do bebê que eu senti? "Arg!" Força, força e a criança sai. Uau, o que foi isso? Um choro soa em meus ouvidos depois que eu apoio minha cabeça na maca, a enfermeira que estava ao meu lado foi até o médico. Eu estava suando, como na noite com Niall. A enfermeira reaparece, mas agora com o bebê nos braços.
- Olhe - ela diz abaixando a criança - É uma menina linda!
Sim, era uma menina, eu sorri um sorriso que eu só dava para Niall, ela era branca com as bochechas rosadas. Dou um beijo na testa dela e a enfermeira sai. Fiz tanta força que acabei caindo no sono, não sei como, mas isso aconteceu.
Quando acordei estava no quarto, consegui ver Zayn deitado nas pernas de Maura dormindo, olho para meu lado direito e lá estava minha filha, toda enroladinha, parecia uma boneca. Era minha boneca. Maura percebe que eu acordei e acorda Zayn, que voa para meu lado já sorrindo.
- Ela é linda, (seuapelido) - Zayn fala sorrindo.
- Linda mesmo, minha filha - Maura fala se aproximando.
- Obrigada gente. Ela parece com o Niall - digo. Percebi que Zayn não gostou.
- É verdade - Maura confirma.
- Mas e o nome, (seuapelido)? - Zayn pergunta.
Olho para ela e sorrio, lembrando no dia em que Niall fez aquela pergunta sem sentido, mas que eu respondi normalmente.
- Anna - respondo e olho para eles sorrindo.
- Lindo o nome - Maura fala.
- Foi o Niall que escolheu - digo.
Fico 15 dias no hospital por causa de Anna, que nasceu de oito meses, mas não foram dias cansativos, passou tão rápido. Minha casa estava arrumada e com flores vermelhas ao lado da minha cama. Andando devagar chego até elas.
- Quem foi? - pergunto.
- Zayn! - Maura fala.
Zayn cora sobre a pele morena e me ajuda a deitar na cama.
- Muito obrigada Zayn, por tudo, pelos dias no hospital, pelas flores, por estar aqui comigo agora... Por tudo mesmo - digo.
Maura me entrega Anna, que iria mamar agora.
- Sei que o que eu vou dizer não mudará sua opinião, mas eu faço tudo isso porque eu te amo! - Zayn fala.
Sorrio para ele.
NIALL'S POV
Chegou a hora, não dava mais tempo de fugir, entramos nos tanques e demos partida, estava com o Lucky e Julio no mesmo tangue, nós três estávamos quietos, apenas observando.
Passamos por pneus e ônibus queimados, crianças chorando nas lajes de suas casas e moradores balançando lenços brancos em pedido de paz. Eu precisava fazer alguma coisa para ajudá-los.
O alto-falante do tanque da frente foi ligado.
- Moradores, fiquem em suas casas protegidos, faremos o que for possível para ajudá-los. Queremos protege-los apenas - Foi o tenente que falou.
Houve um tiro mais a frente.
- São os caras - Lucky fala.
- Os caras? - Julio repete.
- Sim, são eles que fazem as guerras e está na hora de enfrentá-los.
Lucky levanta a tampa e sai, Julio e eu fazemos o mesmo. Começamos a andar abaixados com as nossas armas na frente do nosso corpo. Estava dando medo, você não os via e não conhecia nada daquele lugar, não sabia onde eles se escondiam e quando seríamos atacados.
Um tiro perto de Lucky, que estava perto da gente.
- Corre - foi tudo que consegui dizer para Julio.
Começou a troca de tiros entre nós e os bandidos, ou os caras, como Lucky disse. Foi horrível, eles tinham bazucas, isso nos atrapalhou muito.
- Cuidado meninos, prestem muita atenção - O tenente gritou quando passou correndo por mim e Julio.
Percebi uma luz de laser passando por nós, olhei para trás e não vi nada, o laser sumiu. Voltei a andar e a luz vermelha voltou, olhei para frente e só vi nossos homens. A luz vermelha tornou a sumir.
Dessa vez passou rápido, olhei para os lados, mas só tinham casas.
- O que foi? - Julio pergunta.
- Você não está vendo essa luz vermelha? - pergunto.
- Não! Que luz? - Julio pergunta.
- Fica parado e observa - disse.
Fizemos silêncio e ficamos parados. A luz voltou e mirou em Julio, ele dessa vez percebeu. Nós dois olhamos para cima e vimos um homem com uma arma laser.
- Julio, cuidado - gritei e empurrei Julio para o chão. O homem atacou.
- Niall - Julio gritou ainda no chão.
Eu caí de joelhos no chão e fechei os olhos. Eu morri?
- Não cara, não faz isso comigo, me responde - Julio chacoalhava Niall - Niall?! Niall?!
ZAYN'S POV
Já se passaram 15 dias? Nem pareceu. Anna é linda, loira, olhos azuis. Uma boneca. Levamos (seunome) e Anna para casa, pensei e dar uma caixa de bombom para ela, masMaura disse que não pode porque (seunome) está amamentando.
Será que eu consigo, nesse tempo que a (seuapelido) ficar em casa, fazê-la se apaixonar por mim e fazer a Anna futuramente me chamar de papai?
Mas Maura está todo o tempo com ela, e ela é a vó, não vai deixar isso acontecer. É filha do filho dela.
Um mês depois do acontecido, (seunome) e Anna voltaram no hospital só para saber como estavam, se nenhuma das duas tinham sequelas, mas estavam todas bem. O tempo estava passando rápido.
Estava deitado na cama com (seunome) e Anna quando o telefone de Maura toca. Ela atende lá fora, mas deixa a porta aberta. Tudo que conseguíamos ouvir era: "Ai meu Deus" e ela chorando. O que aconteceu?
Maura entra no quarto.
- O que aconteceu, Maura? - (seunome) pergunta preocupada e desorientada.
Maura ainda em lágrimas responde.
- Eu vou ter que ir para o Brasil. Zayn, você fica com ela?
- Claro! - respondo.
- Espera - (seunome) fala já franzindo a testa - Por quê?
- (seunome) - Maura seca as lágrimas - Niall estava numa guerra, levou três tiros e está em coma profundo.
Percebi (seunome) ficando fraca e bambeando, sua boca se abriu e as lágrimas caíram espontaneamente.
- O quê? - (seunome) falou fraco, quase não dava para escutar.
- Minha filha, se acalme, você não pode ficar nervosa por causa da Anna - Maura fala tentando a acalmar.
- Não, o Niall não. Ai, ai meu coração - (seunome) começa a chorar desesperadamente. Eu a abraço forte e Maura faz o mesmo.
- Ficarei com ele lá, mas irei te dar notícias - Maura fala.
- Não, eu vou com você - (seunome) fala.
Dessa vez meu coração quase parou de bater.
- Você não pode, Anna só tem um mês de vida, você não pode viajar. Você vai ficar aqui, eu vou para o Brasil hoje.
MAURA'S POV
Sabia que não era certo deixar (seunome) e Anna sozinhas com Zayn, mas não podia levá-las. Niall, meu filho, o que aconteceu? Eu estou desesperada, não vejo a hora de vê-lo, de encostar na sua pele macia e branquinha. Estou há tempos sem fazer isso.
- É aqui! - digo para o taxista num português enrolado. desço do taxi e entro no hospital correndo, me encosto no balcão e me concentro para meu português sair mais claro possível.
- Niall Horan - digo.
- Você é a mãe dele certo? - ela disse em inglês, respondo que sim com a cabeça - Eles me avisaram que a senhora chegaria. Próxima virada o primeiro quarto à esquerda.
Agradeço e sigo como instruído, virei e lá estava o quarto de meu filho, abro a porta e logo os dois rapazes que estavam sentados olhando para Niall se levantam colocando suas mãos para traz em respeito.
"O treinamento deles é bem rígido" - penso.
- Olá meninos, podem se sentar, não se preocupem - digo fazendo-os relaxar, mas não se sentaram.
Me aproximo da cama de Niall, ele estava com um tubo de respiração cobrindo seu nariz e sua boca, sem camisa com aparelhos grudados quase no corpo todo, suas pernas estavam cobertas com um cobertor fino de hospital que parecia papel. Não resisto e começo a chorar.
- Niall! - digo em lágrimas segurando sua mão - Filho, volte para a mamãe - Passo meu lencinho no rosto limpando as lágrimas que escorriam e um pouco do meu nariz - Niall, Niall - sussurro.
- Maura Horan? - Uma voz me faz virar.
- Eu? - digo.
- Mãe de Niall Horan? - o homem torna a falar.
- Sim! - digo.
- Sou William, tenente do batalhão aqui do Rio - O homem estica sua mão para me cumprimentar, eu faço o mesmo.
- Tira essa dúvida que me mata - disse - o que aconteceu com meu filho para ele ficar nesse estado?
- Niall estava numa guerra com todos os outros e viu um bandido apontando a arma para seu colega, para ajudar o amigo ele o empurrou e tomou os tiros.
- Meu Niall sempre com o coração bom, não é? - disse virando para olhar Niall, com esperança de ele abrir os olhos e me dar aquele sorriso encantador que só ele tem.
Volto a olhar o rapaz.
- Onde foram exatamente os tiros, meu filho? - pergunto para ele.
- O primeiro foi no peito esquerdo, bem próximo ao coração - dou uma leve interrompida com um choro incontrolável que veio com o que ele falou, o rapaz me abraça. Eu me afasto e ele prossegue - O segundo foi perto da virilha e o terceiro no peito direito.
- Por que meu filho ficou em coma? - pergunto incrédula.
- Porque na queda ele bateu a cabeça muito forte.
Eu não era Maura Horan naquele momento, não sabia quem eu era, eu chorava como se não houvesse o amanhã, mas poderia não haver um amanhã para meu filho. Ele não podia morrer, ele estava construindo uma família agora, ele não sabia que era pai, mas se soubesse, talvez teria deixado o exército.
Sentei-me no sofá ao lado dos meninos e acabei dormindo. Quando acordei vi apenas uma enfermeira mexendo no braço de Niall.
- O que é isso? - pergunto assustada.
- Olá senhora, boa noite. É apenas um remédio para seus ferimentos que foram fundos, para que quando ele acordar não sinta tanta dor na cicatrização - a enfermeira fala atenciosa a mim.
- Entendi - digo - Você viu os meninos que estavam aqui no quarto? - pergunto.
- Eles foram jantar, mandaram avisar à senhora quando acordasse - ela termina de mexer em Niall - Estou saindo, boa noite.
- Boa noite! - digo.
Pego minha bolsa atrás do meu celular. Era hora de contar para (seunome). Disco seu número com medo.
LIGAÇÃO ON
- Alô? - ela atende no primeiro toque.
- Oi minha filha, como vocês estão? - pergunto tentando esconder a tristeza em minha voz.
- Anna está bem, eu acabei de sair do banho e Zayn está jantando lá em baixo - (seunome) faz uma pausa - Mas e você? E Niall? - ela pergunta aflita.
- Eu estou bem - engulo seco - acabei de acordar - forço um sorriso.
- E Niall? - ela pergunta mais aflita do que antas.
- Niall está aqui, deitado numa cama, cheio de fios e tubos - começo a chorar - (seunome), não parece o meu Niall.
(seunome) começa a chorar junto comigo.
- Onde foram os tiros, Maura?
- No peito direito, na virilha e no peito esquerdo, perto do coração.
- Quê? Perto do coração? - (seunome) fala assustada - Mas... mas não atingiu, não é?
- Não. Niall ficou em coma porque bateu a cabeça muito forte na queda.
- Ele bateu a cabeça? Mas ele vai se lembrar das coisas? - (seunome) me pergunta chorosa.
- Não sei ainda minha filha, mas espero que nada disso aconteça.
Escuto de fundo um choro.
- Anna acordou, tenho que ir, beijos - (seunome) fala já desligando.
LIGAÇÃO OFF
ZAYN'S POV
Maura saiu as pressas por causa de Niall, foi a primeira vez que senti pena dele, acho que não queria estar no lugar dele, nem no da Maura e nem do da (seuapelido). Penso que isso doa muito, saber que seu filho, ou a pessoa que você ama está à beira da morte.
Enquanto (seunome) dormia eu a coloquei no lugar de Niall e isso não foi legal, eu acabei deixando uma lágrima escapar, a dor no meu peito foi maior. Eu estou torcendo para a recuperação dele. Mesmo.
Fiquei olhando Anna enquanto (seuapelido) tomava banho, ela estava num sono tão profundo, muito linda, não consegui parar de olhar.
- Quero ter um filho - digo sem querer em voz alta.
- O quê? - (seunome) me pergunta após aparecer no quarto.
- Nada, estava pensando alto demais - digo corando.
- Não, repete Zayn, quero ouvir - (seunome) insiste.
- Bem, eu disse que quero ter um filho - repeti de cabeça baixa.
(seunome) sorri para mim.
- Você irá ter, com a garota certa e no momento certo. Você será um bom pai. E sabe como eu sei disso? Você cuida muito bem de Kath - (seunome) senta ao meu lado na cama.
Ela estava só de roupão, mesmo respeitando Niall, eu não iria aguentar. Me levantei da cama.
- Ér... Mas você não esperou a hora certa - digo sem olhar para ela.
- Eu sei, foi um erro meu e dele. Se minha mãe estivesse presente em minha vida, ela me daria uma bronca. Mas até que foi um erro que eu não me arrependi.
Fechei os olhos, não aguentava escutar aquilo.
- Vou jantar. - Saio do quarto correndo, não sei como desci as escadas, eu pulei degraus. Falar que ia jantar era só um disfarce, mas eu realmente estava com fome, eu não tinha almoçado nem lanchado. Peguei os três pedaços de pizza que tinha na geladeira de ontem e comi. Estavam bons.
Enquanto comia sem perceber fui para o meu mundinho, onde eu tinha fantasias com (seunome), onde eu era feliz com ela e ela comigo. Algumas vezes nesses meus sonhos acordados eu ia longe demais, mas valia a pena, só assim para realizar meu sonho.
- Esta na hora de eu subir - digo colocando o prato na pia.
Agora eu subi civilizadamente, como uma pessoa normal, abro a porta do quarto e vejo (seunome) amamentando Anna e chorando.
- Meu amor, aconteceu alguma coisa? - pergunto indo correndo em direção à cama. Me ajoelho no chão e encosto minha cabeça na cama.
- Eu falei com Maura, Niall está péssimo, foi o que ela demostrou por telefone - (seunome) falava enquanto passava suas mãos nas lágrimas que cismavam em escorrer.
- Não fique assim, minha princesa. Tudo irá dar certo. Ele é forte, ele tem um dever agora, mesmo não sabendo ainda, mas ele tem que ficar para criar Anna - digo passando a mão em seus cabelos.
(seunome) tira seu peito da boca de Anna que dormia outra vez, se levanta com ela e a coloca no berço. Me levanto do chão e fico de pé as olhando. (seunome) se vira e me abraça chorando.
- Ssshhh, acalme-se. Faz assim - digo pegando seu rosto e olhando em seus olhos - Aproveite que Anna dormiu, se troque e durma também, você não dorme há horas.
(seunome) assente com a cabeça e faz o que eu disse, ela coloca uma camisola e se deita, eu me deito ao lado dela e fico as vendo dormir.
(SEUNOME)'S POV
Quem eu era? Uma mãe adolescente sem mãe e agora sem namorado, apenas com um vizinho muito amigo que estava cuidando de mim. Não posso reclamar de tudo, vou confessar que é muito bom ser mãe. Eu adoro ficar com a Anna.
Amo quando vou amamentá-la, fico a olhando sugar meu leite que vai sustentá-la e fazê-la crescer forte, mas era meio estranho colocar o seio para fora para dar de alimento para outro ser humano. Como isso é possível? Me perguntava sempre, antes de ser mãe, como um ser humano podia ter outro dentro de você e ainda sustenta-lo com um alimento produzido pelo seu corpo.
Tem respostas para essas perguntas? Às vezes podia ser perguntas de uma adolescente insegura. Será que Niall se soubesse que era pai, iria gostar? Ele é fofo, calmo, prestativo, amoroso... Mas será que ele iria achar que um bebê atrapalharia seus planos?
Zayn se tornou um cara muito legal, parou de mandar as indiretas de que gostava de mim, penso até que ele tenha parado de gostar de mim. Ele gosta do Niall agora, isso é bom, assim ele pode ter mais contato com minha filha.
A ligação de Maura me deixou bem abalada, ela demostrava pela voz que ele não estava bem, mas eu não estava vendo sua expressão para tirar essa conclusão, mas quando ela começou a chorar dizendo que não era seu Niall, eu percebi tudo. Niall não estava bem.
E o tiro que chegou perto do coração, quando ela falou aquilo meu coração parou de bater por um segundo, meu corpo ficou gelado e depois voltei a minha pessoa.
Maura me ligava todos os dias, ela me contava como estava os batimentos de Niall, que estavam muito fracos, e a respiração dele, que era muito fraca, ela me informava de tudo. A hora que a enfermeira entrava no quarto, quando ela saia e o deixava com os meninos do exército.
Assim eu me sentia mais presente na vida dele, mesmo que num país diferente. Anna ficava mais acordada agora, e algumas noites ela estava tendo cólica, o que me fazia ficar mais cansada durante o dia pois ela ficava chorando de madrugada.
Fases, ainda vou passar por muitas.
ALGUNS MESES DEPOIS
MAURA'S POV
Niall não melhorava nem piorava, ficava sempre na mesma. Eu lia para ele ficar atualizado e contava as novidades. A única coisa que eu não contei até agora para ele é que ele é pai.
- Acha certo que eu esconda um segredo de Niall? - pergunto para Julio, seu colega, a última pessoa que o viu falando.
- Depende, é muito grave? - Julio me pergunta.
Fiz amizade com Julio, ele é muito legal, bom menino.
- Não sei se posso chamar isso de grave - dei de ombros.
- Mas ele pode saber acordado?
- Não sei se (seunome) quer contar ou quer que eu conte - disse.
Fez-se um silêncio na sala. Julio olhava fixamente para Niall. Julio arregala os olhos e olha para mim sorrindo.
- O quê foi? - pergunto.
- (seunome) é a menina que Niall gosta, mas que namora com o vizinho, não é? - Julio pergunta inocentemente.
- Namora com o vizinho? Como assim? - pergunto confusa.
- Niall me contou que o vizinho e (seunome) andavam se comunicando demais e ele disse que acha que quando se mudou para o exército eles começaram a namorar.
- Não, não - digo na defensiva - (seunome) não namora Zayn, eles são grandes amigos, Zayn está ajudando (seunome) a criar... - não concluo.
- Criar? O quê? - Julio pergunta.
- Ou quem! - digo.
- Essa conversa está confusa - Julio diz.
- Se Niall gostava dela ainda eu não sei...
- Sim, gostava - Julio disse - desculpe senhora, continue.
- Não, tudo bem Julio - disse - Mas (seunome) é completamente apaixonada por ele ainda - digo encarando Niall.
- Sério? Nossa, que coisa mais linda - Julio fala e olha para Niall também.
Começamos a conversar agora olhando para Niall.
- Posso te contar um segredo? - pergunto.
- Claro, dona Maura - Julio fala empolgado.
- Mas é segredo, ninguém mais pode ficar sabendo. Nem mesmo sua memória - digo o intimidando.
- Claro, claro! Você vai contar e eu vou esquecer.
- Niall é pai. Quando ele veio para o exército, (seunome) estava grávida.
Julio não falou nada, apenas me encarou com a boca aberta, talvez estivesse assustado com o que eu disse.
- Te assustei? - pergunto.
- Sim. Niall? Sério? - ele pergunta.
- Sim.
- No nosso primeiro dia ele me contou sobre (seunome), e ele disse sobre a primeira vez deles, mas ele não sabia disso - Julio fala ainda chocado.
- E ele não pode saber. (seunome) que irá contar.
A noite cai, entro no quarto com meu copo de suco de laranja com morango, estava muito calor.
- Boa noite meu filho - digo para Niall - Esta muito calor hoje - me sento no sofá - O que quer que eu leia hoje?
Foi o tempo d'eu abaixar a cabeça e escutar o "Piiiiiiii" da máquina, e me levanto do sofá as pressas e vou até a cama.
- Niall?! Niall?! - digo o chacoalhando sem muita força.
Corro em direção à porta.
- Socorro?! Socorro?!
Médicos e enfermeiros não sei de onde apareceram, o quarto de meu filho se encheu, não conseguia o ver. Fui retirada dali, eu ainda gritava o nome de meu filho aos prantos.
- Não Niall, não morre meu filho, não me deixe, Niall! Niall?! Niall, não!
Caio no chão e ali fico, os garotos inclusive Julio tentavam me tirar dali, mas eu não queria sair. Fui eu quem escutou o coração do meu filho parar de bater, meu filho não podia morrer.
A única lembrança de Niall que eu tinha foi dele partindo naquele ônibus, e foi a partida para ele nunca mais voltar. Anna era o fruto do amor deles dois, mas ele não estaria aqui para desfrutar da beldade de sua filha.
Eu esperava organizar uma viagem e a festa de boas-vindas para meu filho, não o velório e o enterro dele.
UM ANO DEPOIS
ZAYN'S POV
Organizar um aniversário de um ano não era fácil, muitas bexigas, muitos doces, um bolo grande, muitas crianças a minha volta. Mas era pra Anna e (seuapelido), então, tudo valia a pena. Às vezes pegava Anna nos cantos tristes.
- O que aconteceu agora, princesa? - pergunto.
- Maura nunca mais me ligou, você me entende? Ela não me contou mais sobre Niall, eu nem sei como ela está - (seunome) fala mexendo no celular.
- Curte o aniversário da sua filha de um ano, depois a gente tenta ligar mais para ela - digo.
(seunome) sorri e concorda com a cabeça. Ficava olhando de longe como (seunome) brincava lindamente com as crenças e como as crianças gostavam dela. (seunome) nem podia sair do lugar que tinha um monte de crianças ao redor a chamando.
Cantamos parabéns e cortamos o bolo, Anna colocou a mão no bolo e passou no rosto. Linda! Eu sabia sobre Niall, mas será que (seunome) tinha que saber?
A verdade e a realidade uma hora vão chegar tanto para mim quanto para ela e eu quero aproveitar cada segundo da felicidade dela.
Fiquei com Anna enquanto (seunome) comia, a coitada não comeu a festa inteira brincando. Algumas mães ficaram para nos ajudar a arrumar as coisas e depois foram embora. Nós três estávamos exaustos, do jeito que a gente estava nós dormimos, os três na cama.
Eu realmente tinha que ver minha mãe, levantei cedo deixando café pronto para as duas e fui vê-la, fazia tempo que eu não ia ver meus pais e minhas irmãs, mas era por uma boa causa. Eu estava ajudando a mulher que eu amo, mesmo ela não retribuindo isso, mas valia a pena.
Conto tudo sempre para meu pai, e ele disse para eu nunca desistir, e é o que eu faço, não demonstro muito, mas dormir na mesma cama que ela já é uma realização de sonho.
Minha frase se em caixa nesse contexto: "Nós sempre vamos nos apaixonar por quem não nos ama!". Mas é uma triste realidade que temos que encarar...
(SEUNOME)'S POV
A festa da minha filha de um ano foi linda, mas para ser mais perfeito tinha que ter Niall aqui com a gente. Embora Zayn estivesse sempre ali presente, não era a mesma coisa.
Sinto o cheio do perfume de Niall no meu sonho e acordo assustada. Levanto da cama com tudo.
- Ai meu Deus - sussurro pra mim mesma.
Olho para Anna que ainda dormia profundamente. Espere, onde está Zayn? Desço as escadas e encontro a mesa toda feita e um bilhete numa folha rosa. Sua caligrafia é linda.
"Princesa, fui visitar meus pais, mas deixei tudo pronto para você e Anna. Qualquer coisa ligue e eu voltarei correndo.
Com muito amor. Zayn..."
Solto um sorriso espontâneo, mas não queria comer, não estava com cabeça para isso. Era Niall que estava no meu sonho. Eu não tinha notícias dele há muito tempo. Maura não me ligava mais. Olho no relógio da cozinha e vejo que já é tarde.
- Nossa, que horas fomos dormir ontem? - me pergunto ao ver a hora.
Escuto Anna chorando e subo as escadas de volta, abro a porta e ela já está sentada na cama.
- Calma meu amor, mamãe está aqui com você - digo.
Percebo que Anna olhava para meu guarda-roupa que ficava em frente à cama, vou até lá e abro. A porta corre e eu vejo minha caixa caída. Não mexia naquela caixa desde quando Niall partiu. A pego e sento ao lado de Anna na cama.
- Não tenha medo, foi só a caixa da mamãe que caiu - digo e sorrio para ela.
Ela me retribui com outro sorriso deixando seus pequenos dentinhos à mostra. Abro a caixa e vejo as coisas que Niall me dera e as fotos que tinha tirado com ele.
A primeira que peguei foi num dia de frio depois da escola que resolvemos tirar fotos e Niall me beijou nessa hora. Liberei um sorriso e uma lágrima escorreu. Anna pega a foto da minha mão e coloca nas suas perninhas.
Procuro uma mais recente e mostro a ela.
- Olha filha - ponho em sua frente e aponto - Mamãe e Papai.
Anna com muita dificuldade repete.
- Pa... Papai - ela fala e olha para mim sorrindo.
Foi a primeira vez em que ela disse Papai, eu a pego no colo e começo a chorar com saudade de Niall. Anna me lembrava ele. Era ela quem me deixava mais forte desde queMaura parara de me dar notícias.

SETE MESES DEPOIS
ZAYN'S POV
- (seunome), mensagem da Maura - grito para (seunome) que estava se trocando no banheiro.
Ela sai correndo como um vendo passageiro e pega o celular da minha mão.
- Me dá, me dá, me dá - (seunome) fala abrindo a mensagem - Venha me buscar no aeroporto as 14:30. Beijos Maura - (seunome) lê em voz alta - Você me leva, não é?
(seunome) fez uma cara de cachorro sem dono e eu não pude resistir.
- Claro! Nunca irei te deixar na mão - disse.
(seunome) se joga em cima de mim e me da muitos beijos na bochecha. Começo a rir e ela se afasta.
- Certo, vou me arrumar, já são uma e cinquenta, temos que sair daqui duas horas - (seunome) fala.
- Você quis dizer arrumar a Anna, não é? - pergunto.
- É... Você me entendeu - (seunome) fala e ri.
(seuapelido) pega Anna do chiqueirinho e a arruma, minhas princesas estavam lindas. Não caia minha fixa enquanto eu dirigia que a verdade estava a meia hora de nós, como(seunome) reagiria? E eu? O que seria de mim?
- Zayn? O que foi? - (seunome) fala e passa a mão em meu cabelo.
- Nada, só estava pensando longe - digo.
- Percebi - ela concorda - Posso saber ou prefere deixar para você? - (seunome) concluiu.
- Vou deixar pra mim dessa vez - digo.
(seunome) assente com a cabeça e continuamos a viagem.
- Obrigada por me ajudar a arrumar o quarto de Anna, acho que sozinha não conseguiria nunca - (seunome) fala quebrando nosso silêncio.
- Imagina, Anna já tem um ano, estava na hora de ter seu quartinho. Você só deixou o chiqueirinho no seu quarto - digo sério.
- É porque assim eu fico a olhando enquanto brinca. Acho melhor. Já fico longe dela enquanto dorme - (seunome) ri e eu faço o mesmo.
Anna tinha seu quarto agora, em frente ao quarto de (seunome) e eu havia voltado a dormir na minha casa, penso que (seunome) não precisa mais tanto da minha ajuda, só mais uma companhia para não ficar sozinha. Afinal, ela só tem 16 anos...
- Chegamos! - digo.

(SEUNOME)'S POV
- Chegamos! - Zayn disse e automaticamente eu olhei para o relógio.
Duas e meia em ponto. Saímos do carro e eu pego Anna que agora estava acordada.
- Boa tarde minha flor! - Zayn fala e dá um beijo na testa de Anna.
Entramos no aeroporto, estava com o coração na garganta, não sabia o que eu iria encontrar. Zayn não estava com uma expressão tão legal.
De longe avisto uma mulher de cabelos curtos e loiro, baixinha saindo da sala de desembarque.
- Maura - disse num quase sussurro.
Fico parada no mesmo lugar, não conseguia movimentar minhas pernas. Maura foi se aproximando, se aproximando e foi então que consegui ver que ela estava chorando.
- Maura?! O que foi? - disse em meio ao nosso abraço forte.
Ela se afasta e alisa meu rosto, depois olha para Anna e faz o mesmo.
- Minha nossa, como vocês duas estão lindas e grandes - ela fala sorrindo e chorando.
- Cadê o Niall? - pergunto.
Maura olha pra mim e abaixa a cabeça, olho sobre ela e vejo um homem com a roupa do exército, com uma malinha na mão virando a sala de desembarque. A luz que vinha dos vidros de fora do dia nublado em Londres não me deixava ver quem era.
O rapaz tirou o chapéu ainda andando e vi o cabelo que eu tanto amava.
- Niall - disse sussurrando.
Não segurei as lágrimas, elas vieram de livre espontânea vontade.
- Vá até lá minha filha, aproveite cada segundo, pois você não sabe o que aconteceu não é, Zayn? - Maura fala se referindo a ele.
Os olho e coloco Anna no chão. Não entendi o que Maura quis dizer com aquilo. Começamos a andar bem devagar quando Anna resolve sentar para brincar no chão.
- (seunome)?! - Niall fala fazendo eu o olhar e não parar mais - (seunome)?! É você mesmo?
- Sim, sou eu - digo deixando minhas lágrimas escaparem outra vez.
- Eu... - Niall ia falar alguma coisa quando olhou para o chão e viu Anna.
A peguei no colo e ele acompanhou cada movimento. Anna não olhou para Niall, penso que ela tenha achado que era Zayn. Niall recolhe seu sorriso e olho além de mim.
- Zayn? - ele diz.
- Sim, foi ele que me trouxe - digo.
- Vocês... Você e ele... - Niall não termina.
- Não, eu... - Digo e Anna faz eu perder meu raciocínio quando ela se vira para Niall e fica de boca aberta.
Ela se joga para ele, Niall se aproxima e Anna para suas mãozinhas pelo seu rosto.
- Quem é essa pequena? - Niall me pergunta.
- Pa...Papai - Anna fala.
Niall se afasta assustado.
- O quê? - Niall diz.
NIALL'S POV
Quando virei a sala de desembarque finalmente pude tirar aquele chapéu que estava me incomodando. Mexi em meu cabelo que agora estava grande outra vez.
Me aproximo de uma mulher bonita que estava parada olhando para o nada, espere, eu a conheço.
- (seunome)?! (seunome)?! É você mesmo? - digo animado, mas confuso.
Ela estava ali para receber minha mãe ou estava esperando alguém diferente? Dialogamos um pouco. Eu ia falar que ainda a amava quando vi uma criança nos pés dela. Ela a pegou e a pôs em seu colo. A criança era linda como ela, mas quem era ela. Olho sobre (seunome) e vejo Zayn. Não queria perguntar, mas tirei minha própria conclusão de que aquela criança era filha deles dois.
Confesso que me assustei quando a pequena começou a me olhar daquele jeito e acariciou meu rosto. O que ela queria?
- Pa... Papai - a pequena disse.
- O quê? - pergunto incrédulo.
Não, ela só podia estar me confundindo com Zayn, não sei como, mas estava. Eu não sou pai dela.
- Não pequena, você está me confundindo - disse inseguro.
- Niall - (seunome) disse - Essa é a Anna, sua filha.
Minha filha? Minha filha? Eu estava sem chão, eu tinha uma filha e não sabia? Por que ninguém me contou? Minha filha? Sorri, foi a única coisa que meu corpo conseguiu fazer.
- Posso pegá-la? - pergunto.
- Você está brincando? - (seunome) diz - Mas é claro, é sua filha.
Pego a pequena no colo e ela me abraça, foi a melhor coisa que já me aconteceu desde que eu voltei a viver. Acho que (seunome) eu não poderia ter mais.
- Quanto tempo ela tem? - pergunto já chorando.
- Um ano e sete meses - (seunome) responde sorrindo.
- Quando eu parti para o exército, você já estava grávida? - pergunto secando as lágrimas.
- Sim, mas eu não sabia - (seunome) fala.
- Você está com o Zayn? - pergunto com medo da resposta.
- Não, nunca estive. Meu primeiro e último amor sempre será você - (seunome) fala chorando.
Não aguento, me ajoelho no chão colocando Anna sentada e (seunome) se ajoelha também, eu abraço e nós nos beijamos. Foi um beijo calmo e apaixonado. Há quanto tempo eu estava esperando por isso. (seunome) realmente me amava, ela nunca me deixou como eu tinha pensado.
- Eu te amo! - disse com as nossas testas grudadas.
- Eu te amo, Niall Horan - (seunome) disse chorando.
Abraço (seunome) e Anna. Eu tinha uma família agora, e eu não iria mais largá-las por nada nesse mundo.
ZAYN'S POV
Ver a cena de Niall, (seunome) e Anna me emocionou, eu queria estar no lugar dele, mas a felicidade da minha princesa era o que importava agora. Anna agora tinha seu pai de verdade.
Os levei para casa em silêncio, em nenhum momento falei alguma coisa. Nem Maura, nós dois ficamos quietos o caminho todo. (seunome) e Niall contavam o que aconteceu com eles nesse ano de distância.
- Sabe o que eu queria amor? - Niall fala para (seunome) - Comer e beber alguma coisa da Star Bucks.
- Eu vou para você Niall - digo me pronunciando pela primeira vez.
- Não Zayn, agradeço-lhe por se oferecer. Mas você já cuidou da (seuapelido) e da Anna por um ano e sete meses, estou muito grato por isso. Agora é minha vez, e pelo resto da vida. - Niall fala.
Vejo pelo espelho do carro Niall e (seunome) se beijando, senti meu coração ficar pequeno naquele momento. Finalmente chegamos, não estava mais aguentando ficar naquele carro vendo eles se beijando.
- Niall, você vai ficar com a (seunome)? - Maura pergunta para seu filho.
- Sim mãe, quero aproveitar cada segundo que eu perdi com a minha namorada e a minha filha - Niall fala abraçando as duas.
- Tudo bem então - Maura fala - Zayn, você me leva até em casa?
- Claro! - digo.
- Antes - Niall fala fazendo todos olharem para ele – Zayn, vem até aqui.
Faço o que ele pediu, me aproximo dele.
- Muito obrigado por tudo - Niall me abraça e eu retribuo.
Ele parece um cara legal, acho que eu não devo ficar com esse rancor dele sem motivo. Nos afastamos e ele bagunça meu cabelo me fazendo rir. Foi a primeira vez que eu sorrio para ele. Entro no carro e dou partida para casa de Maura.
(SEUNOME)'S POV
Niall pegou sua pequena mala e eu peguei Anna do seu colo. Entramos em casa. Niall parecia encantado com o que via. Minha casa nem estava tão arrumada.
- Ainda nossa casa? - Niall me pergunta.
- Sempre! - digo.
Ele vai até a cozinha, dá uma volta e subimos a escada, passamos pelo quarto de Anna e eu já a deixo lá dormindo. Ele olha o banheiro e vamos ao meu quarto que estava arrumado.
- Eu estava com saudade desse lugar - Niall fala com os olhos fechados e sorrindo.
- Mesmo? Por quê? - pergunto.
- Acho que porque nós passamos muitos momentos nossos aqui - Niall fala e se vira para mim - Você ainda deixou a minha metade do guarda-roupa?
- Sempre - digo.
Niall vai em direção ao meu guarda-roupa e abre sua metade encontrando todas as minhas fotos com ele coladas nas portas. Niall ri ao ver aquilo.
- Sério que você fez isso? - Niall pergunta pegando umas roupas.
- Sim, por quê? Não gostou? - pergunto sentindo um aperto em meu peito.
- Eu amei! - Niall fala.
Ele cheira suas roupas e me olha sorrindo.
- Você as lavou recentemente - ele fala.
- Sim, todo mês eu lavo, na esperança de que um dia você iria voltar.
Niall me abraça forte. Nos afastamos e ele começa a se trocar. Faço o mesmo, precisava de roupas leves para aproveitar o tempo nublado de Londres, há muito tempo eu não prestava atenção no tempo. Era como se eu estivesse desligada do mundo. E só tivesse voltado agora.
- Pensando na vida? - Niall fala me tirando dos pensamentos.
- Sim. Na verdade estava pensando no tempo em que eu passei sem perceber o tempo lá fora - digo me deitando na cama.
Niall me envolve com seus braços. Como eu estava sentindo falta daquilo.
Será que ele iria voltar a servir o exército? Ele voltou com a roupa, mas ele iria ficar aqui por pouco tempo?
- Posso ver onde os tiros pegaram? - perguntei.
- Claro! - Niall fala tirando seus braços do meu corpo e eu me ajoelho na cama.
Ele tira sua blusa deixando seu peito exposto para mim. Como eu sentia falta daquilo. Comecei a passar meus dedos de leve pela sua barriga e fui subindo. Percebi que Niall me olhava mordendo seus lábios, mas eu estava encantada com seu corpo que eu não via há muito tempo. Cheguei em seu peito e vi o pequeno rastro da cirurgia que foi deixado ali, passei para o outro lado do seu peito e vi a outra cicatriz. Passei pelos seus ombros e desci pelos seus braços, cheguei em suas mãos e abaixei um pouco do seu short, deixando a cicatriz da virilha a mostra. Passei meus dedos sobre ela e pude sentir que foi aquilo que quase tirou a vida de meu príncipe. Passei minha mão pela sua barriga outra vez e cheguei em seu rosto. Aproximei o meu do dele e deixei meus lábios perto de sua orelha.
- Onde foi a batida da sua cabeça? - sussurrei.
Niall pegou minhas mãos e as colocou no local onde ele bateu, fechei meus olhos e respirei fundo. Foi aquilo que fez Niall ficar em coma. Deslizei minhas mãos para seu rosto e encostei meu corpo no dele, encostei nossos lábios rapidamente e afastei abrindo meus olhos e vendo o azul dos olhos de Niall.
- Nunca mais me deixe - disse.
- Nunca mais irei te deixar - Niall disse.
O beijei calmamente, mas com muita paixão. Niall me virou na cama e ficou por cima, nossa respiração estava forte. Nosso beijo foi aumentando. Eu passava minha mão pelo seu corpo todo. Ele ficou de joelhos na cama.
- Minha vez - ele disse.
NIALL'S POV
(seunome) tocou meu corpo me fazendo ficar excitado, mas não sabia se a hora era aquela, só fizemos uma vez aquilo. Mas não sabia se iria me controlar. Ela começa me beijar e meu desejo é mais forte, troco nossas posições, meu instinto estava mais forte, ela passava a mão pelo meu corpo, eu achei que não ia aguentar. Por isso fiquei de joelhos na cama e pensei muito rápido, precisava conhecer o corpo dela outra vez antes de ganhar mais intimidade.
- Minha vez - foi tudo que consegui falar.
Comecei dos pés, passei minhas mãos pelos pés dela. Eu fazia massagem sempre. Passei minhas mãos pelas suas pernas devagar para lembrar o como sua pele era suave e macia.
- Sério que ninguém mais a tocou como eu? Você sabe o que eu quero dizer - disse a ela.
- Sério. Nenhum cara me tocou Niall, apenas você - (seunome) disse.
Voltei a tocá-la. Coloquei minhas mãos por dentro de seu vestido e toquei sua intimidade e seu quadril, senti sua barriga subir e descer rápido junto com a sua respiração. Sinceramente eu também estava desse jeito. Senti que ela me desejava e eu a estava desejando também.
- Seu corpo ficou do mesmo jeitinho depois de ganhar a Anna - disse.
- Sim. Sorte a minha - (seunome) disse sorrindo.
Tirei minhas mãos de dentro do vestido dela e apertei seus seios. (seunome) respirou mais forte. Passei minhas mãos pelos seus braços e depois no seu pescoço. Passei pelo seu rosto e enrosquei meus dedos pelo seu cabelo. Deitei meu corpo no dela e comecei a dar selinhos nela.
Tirei meus dedos de seu cabelo e (seunome) colocou suas mãos em meu rosto. Comecei a alisar seu corpo enquanto estávamos nos beijando.
- Niall, não me tortura mais - (seunome) fala - Estou desejando isso há muito tempo.
- Eu também - disse.
Não pensei duas vezes. (seunome) abriu suas pernas dando espaço para que meu corpo se encaixasse no seu. Tirei meu short junto com a minha cueca e comecei a tirar seu vestido. O joguei da cama e desci minhas mãos para sua calcinha que tinha o cós bem fino. A tirei e voltei a beijá-la. Nossa respiração estava muito forte, quase não as reconhecia mais.
- Que boas vindas mais boa essa, você não acha? - digo rindo.
- Melhor impossível. Tanto pra mim, quanto pra você - (seunome) fala.
Fico a excitando passando minha intimidade na dela sem a penetrá-la enquanto nos beijamos. (seunome) já se contorcia na cama.
- Niall, não me tortura - (seunome) fala mordendo o lábio superior.
- Como você quiser - digo.
A penetro com força e desejo. Como eu sentia falta disso. Não lembrava que isso era tão bom. Continuo a penetrando e vendo suas reações que faziam minha mente voltar à nossa primeira vez. Como eu podia fazer isso? Estar no presente e no passado ao mesmo tempo. (seunome) entrelaçou seus dedos em meu cabelo, isso me deixou mais confiante. (seunome) gemia baixo, mas excitada, fazendo com que eu ficasse do mesmo jeito. Fazemos por mais algum tempo e paramos.
Me deito ao seu lado na cama e ficamos de mãos dadas.
- Obrigado por me esperar, (seunome) - digo a ela.
- Não precisa agradecer. Eu te amo. De fato eu faria isso - (seunome) fala e me beija - Eu que tenho que agradecer por me dar uma filha linda como Anna.
Sorrio ao ouvir o nome da minha filha.
- Você colocou o nome que eu escolhi - digo.
- Sim, você não estava presente, mas eu lembrei da nossa conversa uns tempos atrás - (seunome) fala.
Faz-se um silêncio.
- Será que a Anna vai acordar agora? - pergunto.
- Não, meu peito ainda não doeu - (seunome) fala.
- Como assim? - pergunto confuso.
- Meu seio dói quando ela vai acordar, isso significa que ela vai querer mamar. Anna ainda não largou o peito, mesmo comendo comida - (seunome) explica.
- Hum. Entendi.
- Por que a pergunta? - (seunome) pergunta.
- Queria... Fazer outra vez - digo.
(seunome) me beija e fica em cima de mim, coloca meu membro na sua entrada e começa a se balançar, aperto seus seios para estimulá-la mais. (seunome) mordia seu lábio para não gemer, mas eu queria ouvi-la fazendo isso. Mudo nossas posições e a penetro com força e vontade. (seunome) apertava minhas costas enquanto gemia meu nome. Era isso que eu queria. Ajeito sua perna para me dar mais espaço e continuo a penetrá-la loucamente.
- Niall... - foi (seunome) gritar meu nome eu ejaculei.
Diminuo minha velocidade e a deixei respirar um pouco, nossos corpos já estavam suados e quentes.
ZAYN'S POV
Depois de levar Maura para casa eu fui para a minha, olhei para a casa de (seuapelido) antes de entrar. Ficaria com saudade de passar a tarde ali com elas. Entrei em casa e liguei para meu pai, precisava conversar com um homem. Contei o que havia acontecido e ele disse que agora eu não podia fazer mais nada além de seguir em frente e tirar(seunome) da minha cabeça.
Niall voltou, eu não tinha chances alguma, eu sei, mas eu nunca vou esquecer aquele beijo que rolou aqui em casa, eu quase consegui fazer o que eu queria, mas não é tão fácil assim. Na verdade é, tem tantas garotas que fariam de tudo para ir à cama comigo, mas eu só queria uma e essa uma não me quer.
Arrumei minha casa que estava um pouco abandonada e depois liguei para a Natália vir à minha casa, estava me sentindo sozinho e abandonado, precisava de uma companhia.
Natália trouxe bebida para nós. Não iria recusar, não hoje que estava triste e sozinho. Bebemos as três garrafas de vinho que ela trouxe, eu não estava mais em mim, não estava reconhecendo minha própria casa. Pedi para Natália me levar até o quarto. Foi o que ela fez. Fui até a janela do meu quarto tentando reconhecer a janela do quarto de (seunome), que é em frente ao meu, mas eu não estava entendendo nada. Me joguei de bruços na cama e Natália me vira com tudo de barriga para cima.
- O que você pensa que está fazendo? - pergunto para ela quando a vejo nua na minha frente.
- Você duas pessoas fazem num quarto, numa cama e nus? - ela me pergunta.
- Duas eu sei, mas só estou vendo uma nesse momento - digo.
- Não seja por isso.
Natália começa a rasgar minha roupa. Eu não queria fazer aquilo, mas quando lembrei de Niall e (seunome) se beijando no carro, minha raiva falou mais alto, deixei ela comandar a noite toda, não estava em condições de ficar em cima dela, ia acabar dormindo.
(SEUNOME)'S POV
Depois de transar com Niall e amamentar Anna, deixei os dois na cama e fui escrever numa agenda minha que tinha alguns segredinhos, sentei na mesa que tinha em frente a janela e comecei a escrever.
"Estava começando a gostar de Zayn quando Maura me mandou uma mensagem dizendo para buscá-la no aeroporto, logo me veio Niall na cabeça e o meu coração esquentou mostrando que o que eu tinha por Zayn era admiração, não amor..." , paro para pensar e olho para a janela. Vejo uma mulher em cima de Zayn, mas espere, eles estavam...
- Ai meu Deus - sussurrei para mim.
Continuei olhando para ver se reconhecia a garota, quando ela virou de costas para Zayn e olhou para a janela pude ver que era Natália.
- Não pode ser - disse um pouco mais alto dessa vez.
A cara de prazer dela me dava enjoo, mas eu não conseguia ver Zayn, será que ele também estava tendo prazer nessa relação? Por que eu estava tão curiosa? Eu realmente gostava dele? Eu não podia acreditar no que estava vendo. Na verdade eu vi a transa deles toda, como se eu estivesse vendo um filme pornô. Isso não foi legal. Embora alguns momentos antes eu estava fazendo a mesma coisa.
Vou dormir com aquela cena na memória. Não podia acreditar.
- Bom dia princesa - Niall fala dando beijos em meu rosto.
- Bom dia amor - digo pegando seu rosto e o beijando.
- Já dei comida para Anna e já tomei café. Vou dar uma volta com ela, assim deixaremos você por um tempo sozinha para descansar - Niall fala já virando para deixar o quarto.
- Não precisa fazer isso Nialler - digo.
- Bom dia! - Niall sai cantarolando.
Sorrio com a cena. Pego meu celular e mando uma mensagem para Zayn.
"A noite foi boa, em?"
Não demora muito e ele responde.
"Do que você está falando?"
"Você e a Natália"
"O quê? Mas ela só esteve aqui e nós bebemos."
"Vocês beberam?"
"Para, eu já sei do que você está falando, me perdoa, eu não fiz por querer, mas eu estava bêbado... Eu preciso falar com você"
"Zayn, calma, você não deve satisfação para mim. Acho bom que você está se relacionando com alguém. Apesar de eu ter visto TUDO o que vocês fizeram".
Meu celular toca.
LIGAÇÃO ON
- Oi Zayn - digo.
- Desculpa pelas cenas, mas eu juro que ela me deixou bêbado pra isso e... - Não o deixo completar.
- Zayn, você não... - ele me interrompe.
- Espere, espere - ele fala - Me escute. Eu a chamei porque estava sozinho, deixar você e Anna não estava nos meus planos. Ela me deixou bêbado e como eu estava com raiva de ter visto você e Niall se beijando, eu aceitei fazer aquilo. Mas eu sou... era virgem.
- Você o quê? - digo inconformada por escutar tudo o que ele disse.
- Me perdoe por tudo. Eu vou viajar por uns dias, o que fiz não foi certo. Mas queria deixar claro mais uma vez que... - ele fica mudo no telefone.
- Zayn?! Ainda está ai? - pergunto.
- Queria deixar claro que ainda te amo, (seunome)!
LIGAÇÃO OFF
Assim terminou a ligação. Me levantei com aquilo na cabeça ainda e fiz o que tinha que fazer em casa, inclusive comer.
NIALL'S POV
Acordei empolgado depois de tudo que aconteceu. Sabia que morrer e voltar a vida não é nada fácil? Arrumei a casa que não tinha muita coisa para arrumar, tomei meu banho e fiz o café. Como eu estava com saudade de tomar café e comer torradas boas. Não estava mais aguentando comer aquelas coisas mal passadas e aquelas comidas sem sal que eles faziam. E o café? Era água com cor, sem açúcar.
Acordo (seunome) e aviso que vou sair com a minha pequena. (seunome) precisava de um tempo sozinha também. Saímos, o tempo estava agradável em Londres hoje. Estava saindo um sol que nesse momento estava com vergonha se escondendo nas nuvens. A cada rua que eu passava era uma pessoa falando que estava feliz por eu ter voltado e elogiando minha filha dizendo que ela é linda e que parecia comigo.
Teve uma criança que apertou a bochecha dela, mas é meio grandinha mesmo. Minha princesa, princesa da (seunome). Se eu soubesse que ela estava grávida eu tinha largado o exército.
- Ui filha - digo - O celular do pai está vibrando.
LIGAÇÃO ON
- Alô? - digo.
- Ei cara, é o Julio. Como você está? - Julio fala.
- Julio?! Nossa, nem acredito. Não voltou para o exército? - pergunto.
- Não, desisti, não quero perder ou quase perder um amigo. Muito menos perder minha vida - Julio fala.
- Onde você está? - pergunto.
- Num parquinho vendo as crianças brincando - Julio fala.
Típico do Julio fazer isso, ficar parado olhando alguma coisa sem sentido nenhum pra ele.
- Sei onde você está, estou indo ao seu encontro.
LIGAÇÃO OFF
Não era muito longe de onde a gente estava, cinco minutos eu cheguei e avistei Julio jogado num banco com o seu cabelo crescendo e sua cara de desentendido.
- Cheguei! - digo sentando no banco e sentando minha filha nas minhas pernas.
- Essa é sua filha? - Julio pergunta apertando minha mão.
- É sim, como você sabe? - pergunto confuso.
- Sua mãe me contou quando você estava desacordado, pediu segredo - ele disse.
Sorrio a olhando coçar os olhos.
- Minha princesa - digo orgulhoso.
- Nossa cara, ela parece muito com você - Julio fala - Cadê a (seunome)?
- Ficou em casa, dei um dia de descanso para ela - falo rindo.
- Você não existe - Julio fala.
Ficamos conversando quando sem perceber Anna dormiu no meu colo, acordamos cedo, ela deveria mesmo estar cansada. Contei a Julio o que aconteceu no dia anterior comigo e (seunome) e foi motivo para Julio pagar de psicólogo como ele fazia no nosso quarto. Eu realmente gostava disso.
- Mas Julio - disse - Não querendo fugir do assunto, mas já fugindo. Onde você está morando? - concluo.
- Ali - Julio aponta para um prédio marrom em frente ao parque - Estou hospedado ali e não sei quando eu saio.
- Isso é sério? - pergunto.
- É sim!
Julio olha para o céu e sorri, eu o acompanho e não vejo nada. Volto a olhar para ele.
- Essa é minha realidade meu amigo. Minha namorada me deixou e eu não tenho meus pais - Julio fala.
Ouvir aquilo deu um aperto no coração muito grande, lembrei-me da história da (seunome), que foi criada pela minha mãe.
- Julio, se eu arrumasse um lugar para você ficar, você aceitaria? - pergunto já com uma ideia em mente.
- Oh cara, você está brincando, não é? - Julio fala com aquele jeito dele arrastado, rouco e preguiçoso - Mas é claro que eu aceito.
Julio fica olhando para mim sorrindo.
- Então pode deixar comigo, não irei te decepcionar - aperto a mão de Julio - Falando nisso, irei resolver isso. Depois te ligo.
Me despeço de Julio e arrumo Anna no meu colo, vou em direção a casa da minha mãe. Ela iria ajudar Julio, eu sei disso, minha mãe não nega ninguém.
ZAYN'S POV
Depois de fazer a grande burrada e saber que (seunome) viu a minha grande burrada, penso em ir embora de Londres, mas para onde eu iria? Já saí da casa dos meus pais para criar independência, não iria voltar.
Tomo um banho gelado e esfrio minha cabeça pensando melhor.
- Que frio - digo depois de sair do banho - Por que eu fiz isso?
Faço coisas que não entendo às vezes. Por que eu tinha que chamar a Natália? Bom, eu não vou embora nem irei viajar, mas eu iria evitar ver (seunome) ao máximo, mesmo que isso faça que eu sofra muito. Mas é por um motivo bom. Não iria me magoar, nem atrapalhar (seunome) e Niall.
Abro a janela do meu quarto para que o sol entre, ligo minha televisão e meu Karaokê, pego meu microfone e coloco uma música brasileira para tocar: "Reação em cadeia - Me Odeie". Começo a cantar, mesmo que meio enrolado.
- Qual é o teu segredo. Do que você tem medo. Não sou nenhum brinquedo. Que pode se quebrar... - eu realmente gostava dessa música.
Vi (seunome) aparecer na janela dela, mas não a olhei, fui forte o bastante para isso. Coloquei uma das músicas preferidas dela agora. "One Direction - Moments". Enquanto cantava senti as lágrimas brotando em meus olhos.
- Heart beats harder. Time escapes me. Trembling hands touch skin. It makes this harder. And the tears stream down my face... - uma lágrima escorreu.
Não aguentei e olhei para ela que estava cantando junto comigo pela sua janela.
Coloquei a música que estava ouvindo quando vi (seunome) pela primeira vez: "One direction - Stand Up".
- Oh oh oh oh oh. So put your hands up. Oh oh oh oh oh. Cause it's stand up. I won't believin. Till i've finished stealing every piece of your heart (every piece of your heart). - Estava cantando para tentar me destrair, mas ela vinha mais em minha cabeça. Desliguei tudo e me joguei na cama, mesmo não adiantando muito, porque minha cama é de frente à janela.
Pego meu celular as pressas.
LIGAÇÃO ON
- Pai? E se eu disser que eu fiz a maior burrada?
LIGAÇÃO OFF
(SEUNOME)'S POV
Fiquei vendo Zayn da janela cantando e ouvir a voz dele é linda, mas como a de Niall não tem igual. Estava quase ligando para Niall para saber onde eles estavam quando a porta do meu quarto se abre.
- Chegamos - Niall fala com Anna nos braços.
Eles se jogam na cama.
- Posso saber onde os dois estavam? Já estava preocupada - digo me juntando a eles.
- Fomos dar uma volta e encontrei Julio, depois fui na minha mãe e já ajudei Julio e agora estamos em casa - Niall fala e abre um sorriso enorme.
Eu começo a rir com a cena.
- Que problema de Julio? - pergunto.
- Ele não tem onde morar, então está hospedado num apartamento, e para ajudar eu dei meu quarto da casa da minha mãe para ele. Mas eu fui até lá para ver se ela concordava e ela aceitou numa boa. Já até contei para ele - Niall fala feliz.
- Nossa meu amor, mas isso é ótimo - digo.
- Sim - Niall fala e me beija do nada - A Anna já comeu, eu levei fruta para ela na bolsa, e suco também.
- Hum. Para um pai de um dia até que você está bem.
Rimos e nos beijamos. Anna estava deitada na cama brincando com seu pé.
- (seunome), e se eu disser que não quero mais ficar longe de você? - Niall fala.
- Eu também não quero Nialler, mas seja lá o que falaram, é mentira! - digo na defensiva.
Niall ri.
- Não falaram nada - Niall mexe no seu bolso de trás da calça e se senta na cama.
Eu faço o mesmo olhando o objeto em sua mão.
- Você aceita se casar comigo? - Niall fala me mostrando a aliança.
Eu não tinha reação, era isso mesmo? Eu iria me casar? Mas eu não aceitei ainda.
- Niall... Eu... - As palavras não vinham.
- Você? - ele disse.
- Sim, sim, sim, sim, sim... Mas é claro que sim - digo e me jogo em cima dele, fazendo-o cair na cama.
O beijo enlouquecidamente. Niall começa a rir depois de tirar os nossos lábios um do outro. Nos sentamos de novo e ele coloca a aliança no meu dedo. Eu a olho encantada e começo a rir.
- Eu vou me casar com o homem da minha vida? - pergunto.
- Ainda dá tempo de voltar atrás - Niall fala.
- Para, seu bobo - digo abaixando minha mão e olhando para ele.
Niall me joga na cama e fica em cima de mim, começa a me beijar e passa a mão no meu short para descê-lo. Afasto nossos lábios.
- Não! - digo rápido.
- Por quê? - Niall pergunta.
- A Anna - digo.
Niall sorri e nós dois vamos brincar com ela, que ainda estava entretida com o pé.
NIALL'S POV
Pedir a (seunome) em casamento foi a melhor coisa, agora seríamos uma família de verdade, casados e com uma filha. (seunome) nem parecia ser tão nova quanto seu RG mostrava. Eu quase morri, eu fui para o exército e senti na pele o quanto é ruim ficar longe de quem a gente ama. Não queria mais ficar longe de (seunome) e Anna.
A noite caiu e (seunome), eu e Anna ficamos fazendo a lista de convidados. Não tinha muita gente, nós não fazíamos muitos amigos. Graças a minha mãe nós conseguimos concluir 100 convidados.
A maior dúvida de (seunome) era seus padrinhos. Era minha dúvida também, eu tinha o padrinho, mas não tinha a madrinha, e por coincidência era a mesma coisa de(seunome).
Ela decidiu chamar Zayn e eu Julio, mas e nossas madrinhas? Que coisa mais confusa. Data marcada, só faltava ver as roupas e o Buffet que iriamos fazer a festa. (seunome) escolheu a igreja, iremos nos casar em Westminster, uma igreja história do Reino Unido. Ela merece uma igreja de qualidade.
- (seunome) - disse - Por que você não chama aquela menina que trabalhava com você? Vocês pareciam muito amigas.
- É verdade Niall, não lembrava dela - (seunome) fala empolgada - Irei ligar agora para ela.
Esperei (seunome) terminar de falar no celular para avisar que também já tinha decidido minha madrinha.
- E quem é? - (seunome) me pergunta curiosa.
- Minha prima Margaret - digo.
(seunome) dá e ombros, ela não gostava muito de Margaret por ela ter dado muito em cima de mim quando jovens. (seunome) gostava de mim desde aquela época, e eu tinha o mesmo sentimento por ela. Se a gente tivesse contado um ao outro sobre isso, talvez tivéssemos namorando há mais tempo.
- Seis anos de namoro? - pergunto à ela.
- Nunca terminamos - (seunome) fala sorrindo.
Então estávamos juntos há seis anos? Uau, e eu pensava que não aguentaria uma mulher nem um mês. Cabeça de adolescente!!!
ZAYN'S POV
(seunome) ia se casar. Aquele 1% de esperança que eu tinha com ela acabou. Fui chamado para ser padrinho e aceitei, mas não tinha madrinha ainda. É um posto de qualidade e responsabilidade, embora eu quisesse estar no lugar de Niall, mas não será possível. Pedi para (seunome) que me deixasse leva-la até o altar e ela assentiu. Uma felicidade em meio à isso tudo. Por incrível que pareça eu estava ajudando-os a comprar e arrumar as coisas. (seunome) ficava com medo de alguma coisa dar errado, mesmo que o casamento fosse ano que vem.
- Calma princesa, estamos com ajuda extra - Niall falou dando um beijo no topo da cabeça de (seunome).
Apenas observo a cena de cabeça baixa.
- Mas Nialler, eu tenho medo. Não sei, vai que você desista quando me vir entrando na igreja? E se você disser não? - (seunome) falou arregalando os olhos.
Apenas ri da sua reação.
- Ei, ei, ei - Niall fala voltando até a mesa e pegando as mãos dela.
(seunome) olha para ele ainda pálida.
- Nunca mais repita uma coisa desses, certo? - Niall concluiu.
(seunome) assente com a cabeça. Olho para Anna que estava batendo um pote no chão.
- (seunome)?! - a chamo levantando meu rosto e encontrando os olhos dela e seu rosto um pouco corado agora - Ele não seria besta de negar você - concluo e olho para Niall, que sorriu para mim.
- Zayn está certo, eu não seria mesmo - Niall a beija.
Embora não gostasse dessa cena, gostei dele ter concordado comigo. Por que eu não gostava do Niall mesmo? Ah, sim, ele gosta da mesma garota que eu! Tinha até esquecido. Certo, não estava mais aguentando vê-los se beijando. Peguei minha chave e saí da cozinha sem dizer nada.
- Ei, Zayn? Aonde vai? - (seunome) me perguntou.
- Na rua! - disse seco. Droga! Ela não tinha culpa do meu ciúme.
Continuo andando e bato a porta, encosto na parede e deslizo até o chão. Uma lágrima brotava em meus olhos, apalpo meu bolso e encontro meu cigarro. Sim, eu estava fumando desde a volta de Niall. Ouço a porta abrir e vejo o corpo desenhado de (seunome) aparecer.
- O que você está fazendo? - (seunome) me pergunta vindo até mim e tirando o maço do cigarro da minha mão.
- Eu só vou fumar, (seunome) - disse ficando de pé e na frente dela.
Estico minha mão para pegar de volta e ela o coloca para trás e dando um passo para o mesmo.
- Se você fumar, eu fumo! - (seunome) disse firmemente.
(seunome) estava séria olhando para mim, ela realmente não estava brincando. Uma lágrima escapou do canto do meu olho esquerdo, virei meu rosto rápido para o lado.
- Você está chorando? - (seunome) disse chegando até mim e virando meu rosto.
Ela analisou a lágrima que escorria e a secou, afastei sua mão do meu rosto e dei um passo para trás.
- Não faz isso! - (seunome) disse me puxando pela blusa e me abraçando.
Foi um abraço quente e cheio de carinho, não aguentei e correspondi seu abraço, seu corpo estava colado no meu e por vontade própria, sentia a batida de seu coração que era uma melodia ao silêncio da rua.
- Venha - (seunome) disse me puxando pela mão para dentro de casa - E isso fica comigo - Ela concluiu balançando a caixa em cima de sua cabeça.
Soltei um sorriso e voltamos a encarar o mapa da igreja, que era enorme.
UM ANO E NOVE MESES DEPOIS
(SEUNOME)'S POV
Esse ano foi uma correria. Festa de aniversário de 2 anos da Anna e meu casamento. Meu casamento estava dando dor de cabeça, mas não por estar junto com Niall, mas porque tudo o Buffet ligava para perguntar.
- Sim, são flores vermelhas - disse.
- Não, é preto e preto - Niall falava.
Nossos celulares não paravam de tocar. No começo do ano estava com suspeita de estar grávida outra vez, mas não era. Ainda bem, Anna mal tinha dois anos, eu não podia ter outro filho agora.
- Sim, branco com desenhos pretos - Agora foi Zayn que disse.
- (seunome), venha - Maura fala me puxando pelo braço - Você tem que ver seu vestido, ele está pronto!
- Mas e o Niall? - pergunto.
- Ele fica, não pode ver seu vestido - Maura falava enquanto me levava porta a fora.
Coloquei meu vestido por cima do corpo e fiquei em frente a um espelho de corpo inteiro, ele era realmente muito lindo, mas não posso contar, irá estragar a surpresa. O tirei correndo e voltei para o salão, minha festa ainda não estava pronta, faltavam os doces. Parei no meio do salão e analisei cada detalhe, estava tudo lindo e bem arrumado.
- (seunome), não fique blefando ai minha filha, vá para o salão arrumar seu cabelo. Niall já foi se arrumar, o casamento de vocês é daqui a pouco - Maura dizia me empurrando para o carro. Que correria!
- E a Anna? - perguntei.
- Anna fica comigo! - Maura fala e bate a porta do carro.
- Meu Deus - sussurro quando o carro da partida. Olho para o lado e vejo Zayn.
- Não diga nada, hoje é seu dia - Zayn falou enquanto dirigia. Ele estava mudado desde então. Chegamos ao salão, entro e já tem pessoas a minha espera, começam a trabalhar no meu cabelo, maquiagem e unhas ao mesmo tempo, me sentia uma princesa, mas meu pensamento só em Niall e Anna.
Horas depois eu estava pronta me olho no espelho e fico encantada com meu cabelo, ele estava mesmo muito bonito.
- Vá minha filha, ou você se atrasará - a mulher que fez meu cabelo falava sorridente.
Respondo com outro sorriso e vou de encontro ao Zayn, que já estava no carro. Ele dá partida rumo à casa de Maura, onde estava Anna e meu vestido.
NIALL'S POV
Vi como (seunome) estava empolgada e cansada, estava tudo uma correria. Minha mãe iria ficar com Anna enquanto a gente se arrumava. Fui para nossa casa me arrumar lá já que (seunome) estaria na casa da minha mãe.
Não entendo essas coisas de azar ver a noiva pronta antes do casamento, acho que vai do amor de cada um. Ver (seunome) pronta ou não, não vai mudar minha decisão, estamos juntos há seis anos, não vou deixá-la hoje.
Comecei a me arrumar, coloquei meu cabelo de vários jeitos e nenhum me agradava, nenhum certinho, então o deixei rebelde.
- Vou ser um noivo diferente - disse para meu reflexo sorrindo no espelho.
Fui até meu quarto e peguei minha roupa no guarda-roupa que chegou hoje. Comecei a me arrumar pensando em tudo que nós dois já passamos juntos, e muitas dessas coisas me faziam rir sozinho. Era engraçado! Termino de me arrumar e me olho no espelho, como (seunome) gostava. Estou pronto para casar. Vou à igreja esperar os convidados.
ZAYN'S POV
(seunome) levou um susto ao entrar no carro e me ver ali. Eu já estava pronto, mas tinha a missão de levá-la para o salão e até a casa de Maura. Estaria a servindo hoje. Eu desencanei sobre Niall e ela, eu quero a felicidade da minha princesa. E se a felicidade dela está ao lado de Niall, então eu também teria que estar bem com ele. Por ela.
(seunome) entrou linda no carro para irmos até a casa de Maura, seu cabelo estava encantador e sua maquiagem estava clara e maravilhosa. Fui dirigindo e pensando como seria o meu casamento junto com ela. Não deu, era impossível.
- Chegamos ao destino - digo rindo para ela.
- Muito obrigada! - (seunome) fala sorridente.
- Espere! - disse. Saí do carro e dei a volta até a porta do carona, a abri e pequei a sua mão delicada para ajudá-la a sair.
(seunome) começou a rir.
- Por que tudo isso? - ela me pergunta com um tom diferente que eu não consegui definir.
- Shhhhh, não diga nada - disse a levando para dentro de casa.
Entramos e a levei até o quarto de Maura.
- Entregue! - disse.
Maura veio até a porta com o sorriso estampado, fechou a porta e eu desci para esperá-las.
(SEUNOME)'S POV
Zayn me deixa nas mãos de Maura. Chegou a hora. Ela começa a me ajudar a tirara a roupa sem desarrumar meu cabelo. Coloco meu vestido e vou para frente do espelho.
- Ainda não acredito que irei me casar - disse.
Maura colocou suas mãos em meus ombros e me olhou pelo espelho.
- Com meu filho - ela disse sorrindo. - Obrigada por fazer parte da vida dele. Não sei como seria sem você.
Senti as lágrimas brotando em meus olhos e eu sorri.
- Não, não, não - Maura disse me virando para ela - Não chore. Vai borrar sua maquiagem linda!
Maura já chorava. Dei um beijo em sua testa e ela me virou para o espelho outra vez.
- Vou colocar seu véu - ela disse.
Fechei meus olhos, senti Maura encostar em minha cabeça e por fim parou. Abri meus olhos cuidadosamente e eu estava pronta. Eu sorri.
Desci as escadas e encontrei Zayn boquiaberto me olhando.
- Pare de me olhar assim e me ajude - disse fazendo-o piscar.
- Ah, sim, claro - ele disse vindo em minha direção.
- Obrigada! - disse.
Olho para trás e vejo Maura descendo com Anna no colo. Fomo para o carro. Fico olhando para o vidro o caminho todo que nem percebi quando chegamos.
- (seunome)? Você não vai sair? - Zayn perguntava me olhando.
- Hã? - disse saindo dos meus pensamentos mais fundos.
Zayn começa a rir.
- Estava longe em, princesa? - ele fala.
Zayn pega minha mão me ajudando a sair do carro.
- Nossa, que mão gelada - ele fala franzindo o cenho.
- Estou nervosa - digo olhando à igreja - Não tem como mais voltar atrás, não é?
- Não! - Zayn fala e caímos na gargalhada.
Zayn me entrega o buquê e coloco meu braço no de Zayn, ele ergue o microfone junto com Niall que pude ver no altar, mesmo a distância sendo grande, e começa a cantar a música que comentei que gostava. Mesmo que Zayn não quisesse demostrar, eu conseguia ver que através da música ele estava mostrando os seus últimos sentimentos por mim.
"Desculpa por não poder te corresponder" - penso.
Chegamos ao altar, Zayn dá um beijo no topo da minha cabeça.
- Seja feliz - ele fala.
Zayn vira para Niall e aperta sua mão.
- Faça-a feliz!
Zayn sobe no altar e se junta com a minha madrinha.
NIALL'S POV
Ver (seunome) entrando foi uma emoção muito forte, meu coração disparou e minha mão suou frio. Zayn começou a cantar, sabia que logo chegaria minha hora. Conseguimos cantar a música toda.
- Faça-a feliz! - foi o que Zayn disse pra mim. E é uma coisa que eu posso garantir para ele.
Nunca vou decepcioná-la e nem desapontá-lo, sempre soube que Zayn sentia alguma coisa por (seunome). E eu tive medo de perdê-la pra ele, mas ela demostrou que me ama.
(seunome) estava magnífica, seu vestido era perfeito e seu cabelo estava deslumbrante. Ela estava mais bonita do que já é. O padre começou a falar.
Vimos Anna entrando na igreja linda, não resistimos a não fazer um coro de "Own". Ela trouxe as alianças, o Padre benzeu e começou a falar o que tínhamos que repetir enquanto colocávamos a aliança um no outro.
- Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, eu aceito! - disse.
- Na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, eu aceito! - (seunome) disse e abriu um sorriso encantador.
O Padre fez a benção final e eu pude beijar (seunome), foi um beijo discreto e tímido, não podia beijá-la do jeito que queria na frente de todo mundo. Saímos da igreja e fizemos uma fila para cumprimentar nossos convidados.
- Felicidades! - foi o que minha prima e madrinha disse para nós.
(seunome) forçou um sorriso e eu percebi, conheço a tempo suficiente para saber quando ela faz com vontade e sem vontade as coisas. Eu realmente já estava cansado de abraçar e sorrir para as pessoas, minhas bochechas estavam doendo já.
- Bem... O que dizer? - Zayn começou se aproximando de nós - Tudo de bom? - rimos todos - É, tudo de bom!
Zayn nos abraçou.
- Muito obrigado, Zayn! – disse, ainda segurando sua mão - Sua vez vai chegar, e eu vou estar sentado no primeiro banco.
Zayn começou a rir.
- Não sei bem se quero me casar - ele falou olhando para (seunome).
- Vai sim! - (seunome) disse sorrindo.
- Bom, deixa eu ir - Zayn falou mexendo em seu topete - Parabéns Niall! - Zayn disse sorrindo, depois partiu.
- Felicidades meus amores - minha mãe veio nos abraçando juntos. Percebi que (seunome) não tirava o sorriso do rosto - Juízo pra vocês dois - minha mãe concluiu olhando pra mim.
(seunome) começou a rir.
- Vó, estou com sono - Anna chega puxando o vestido da minha mãe.
- Minha linda, dê um abraço na mãe - (seunome) fala se abaixando. Seu vestido fez um balão embaixo dela.
Anna a abraçou e elas deram um selinho. Me abaixei e fiz o mesmo com Anna.
- Deixe eu ir, tenho que pôr Anna para dormir - minha mãe disse.
Nos erguemos e Anna estava no colo de (seunome).
- Nos espere que vamos com você - (seunome) fala para minha mãe.
- Não! - disse protestando.
- Não? - (seunome) perguntou confusa - Por quê?
- Lua de Mel - minha mãe disse sorrindo me fazendo corar mais ainda.
- Mas e Anna? - (seunome) perguntou tendo Anna arrancada de seus braços pela minha mãe.
- Anna fica comigo - minha mãe disse - Agora vão. Anda! Anda!
(seunome) sorrindo deu um beijo em minha mãe e Anna e eu fiz o mesmo, entramos no carro e eu dei partida. Lua de Mel.
ZAYN'S POV
"Não tem como mais voltar atrás, não é?"
As palavras de (seunome) soavam em minha mente, eu deveria ter fugido com ela. Ter a colocado de volta no carro e dado partida, mas e Niall? Como ele ficaria? Eu não gostaria que fosse comigo. Entramos na igreja, e vou confessar que me emocionei, foi muito lindo, eu cantei com toda a minha emoção para ela. Senti que Niall fazia o mesmo. Mantive meu controle e pedi que ele a fizesse feliz.
Quando fui me despedir de ambos, me senti bem por vê-los sorrindo. Eles estavam realmente muito felizes. Bato a porta da frente da minha casa e encontro o ar quente do lado de fora. Respiro fundo e acendo o cigarro que estava entre meus dedos. A cada tragada era um alívio que eu sentia. Era ele quem entendia todas as minhas mágoas.
- Zayn?! - uma voz feminina me fez olhar para cima.
Natália!
- O que você está fazendo aqui? - pergunto seco.
- Nossa, acalme-se - ela me regula de cima a baixo e libera um sorriso meio sujo pelo seu batom vermelho.
- Mais calmo que isso só se eu dormir - olho para o céu, formava nuvens leves - O que não é uma má ideia - disse voltando a olhá-la.
Dei mais uma tragada e logo em seguida liberei a fumaça junto com meus piores sentimentos. Natália olhou a janela do quarto de (seunome), depois olhou para mim.
- Ela não está em casa? - Natália pergunta.
- Não! - digo de uma vez. Puxo mais um pouco do cigarro. Que droga, já estava no final.
- Onde você foi que está tão lindo? - Natália me perguntou se aproximando rindo maliciosamente e fazendo barulho com seu salto.
A afastei com uma mão só, ela ficou me olhando feio. Acendi outro cigarro, joguei a fumaça fora e por fim a respondi.
- Fui ao casamento da (seunome) - disse sem olhar para ela.
- Ela se casou? Nem sabia que namorava - ela disse debochada.
A encarei feio.
- Algum problema dela se casar? E a propósito, ela namora há seis anos - disse mesmo sabendo que aquela verdade me machucava.
Coloquei o cigarro na boca, ele realmente me entendia.
- Uau - ela disse arregalando os olhos.
Natália abaixou um pouco do seu casaco deixando exposto seu sutiã. Eu não gosto dela, e nem mesmo queria algo a mais com ela. Joguei a bituca do cigarro fora e olhei para ela que alisava seu corpo.
- Vou entrar - disse dando as costas para ela.
- Espere! - Natália puxou minha mão fazendo meu corpo voltar para trás e ela me abraçou, nossos corpos ficaram grudados, conseguia sentir o corpo dela gelado - Por que não terminamos o que começamos aquela noite?
- Porque aquilo que começamos não deveria nem ter iniciado, foi tudo um grande erro, e eu não quero repeti-lo nunca mais na minha vida.
Me livrei de seus braços e entrei em minha casa.
LUA DE MEL ON
(SEUNOME)'S POV
Niall para o carro sorrindo em frente à um hotel lindo. Estava encantada e boquiaberta quando escutei a porta do meu lado se abrir, me viro e vejo Niall esticando a mão para mim. Colo a minha sobre a dele e saio do carro. Vamos até o porta-malas e pegamos as pequenas malas que tinham lá que eu nem sabia.
Entramos no hotel.
- Senhor Horan? - um homem falou - Sua suíte está pronta a espera de vocês.
- Muito obrigado - Niall fala.
Pegamos o elevador e subimos. Entramos enfim na tal suíte. É linda, analisei cada detalhe enquanto um homem e Niall colocavam as malas no local. Assim que você entra, consegue ver uma porta que te leva à varanda, dois sofás grandes beges com uma tv de 45 polegadas passando nossas fotos. Duas poltronas vermelhas mais a frente em volta da mesinha no centro. A minha esquerda tinha mais uma porta que dava para o banheiro. Uma banheira enorme com torneiras de prata com espelhos em todas as paredes inclusive no teto. Niall terminou de falar com o homem e me deu a mão, ele me levou numa porta que só ele tinha a chave. Entrei.
Quarto!
A cama era enorme, tanto de tamanho quanto de largura, era branca com vermelho. Tinha um tecido de seda que a envolvia para fechar quando vai dormir, dois criados-mudos com bebidas e outros objetos que não consegui decifrá-los.
- E então? - Niall começou - Gostou?
- É lindo, eu amei! - disse virando para ele e sorrindo.
- E onde você quer começar? - Niall perguntou passando a mão nos meus braços.
- Aonde você quiser.
Envolvi meus braços na sua nuca e começamos a nos beijar. O nosso beijo era calmo e nossas línguas dançavam numa sintonia. Niall tirou meu véu e soltou meu cabelo, eu o baguncei por causa do laquê. Tirei seu paletó e afrouxei sua gravata. Andamos um pouco para trás e Niall tirou sua blusa social deixando seu peitoral livre. Niall tira sua calça ficando de boxer. Suas roupas já estavam espalhadas pelo chão do banheiro. Niall abre a torneira para a banheira encher, ele começa a beijar meu pescoço me fazendo fechar os olhos e morder o lábio. Ele abre meu vestido e tira com delicadeza, me deixando de lingerie.
Niall fecha a torneira, tira sua boxer e entra na banheira, ele me chama. Eu estava ficando quente e corando. Eu entro do jeito que estava. Volto a beijá-lo. A espuma nos ajudava, assim a água não transparecia tudo. Niall se senta e eu fico de joelhos, ainda me beijando ele abre o fecho do meu sutiã e o joga fora da banheira. Eu deito em seu corpo e suas mãos passeiam pelo meu corpo
NIALL'S POV
(seunome) disse onde eu quisesse, eu queria saber como era fazer isso no banho, então decidi começar pelo banheiro. Fomos aos beijando até lá. Quando (seunome) entrou na banheira eu já estava excitado e eu sei que ela percebeu quando se deitou sobre meu corpo. Comecei a alisar seu corpo, a estimulando. Começamos a nos beijar com intensidade. Massageei seus seios e por fim fui para sua calcinha, a joguei para fora da banheira também.
(seunome) voltou a me beijar e agora ela explorava meu corpo assim como eu. Troquei nossas posições, a deixei contra o mármore da banheira e meu corpo, continuei a beijá-la e estimulá-la.
Consegui!
(seunome) me deu entrada. Eu parei de beijá-la e a encarei, ela mordeu seu lábio superior e eu entendi. Me aproximei mais e comecei a nos unir. (seunome) suspirou forte quando sentiu. Comecei a fazer devagar, pois não sabia como era com a água.
- Niall? - (seunome) disse suspirando.
- Hum? - foi a única coisa que consegui falar.
- Nos ver no espelho fazendo isso é estranho - (seunome) disse quase num gemido.
Eu ri, ainda a penetrando.
- Eu sei, eu estou vendo pelo outro espelho.
Colocamos nossos roupões e começamos a recolher nossas coisas que estavam no chão. (seunome) saiu primeiro do banheiro e passou correndo pra sala.
- Ei? Venha! - disse ao passar pela sala.
- Pra onde? - (seunome) perguntou se levantando do sofá.
A peguei no colo e fui para o quarto, a coloquei na cama e abri seu roupão em seguida do meu. (seunome) me olhava com desejo. Fechei o pano de seda em volta da cama e fui engatinhando até (seunome), que ia para trás até chegar nos travesseiros. A beijei e nossos lábios produziram um estalo. Voltei a penetrá-la, mas agora como se isso fosse a última coisa que eu fizesse na vida. O som da voz de (seunome) respirando forte conforme nosso procedimento, ou chamando meu nome me incentivavam mais.
Alternamos as posições várias vezes durante a noite, foi uma noite intensa.
Me agradeço por ter reservado o hotel apenas pra gente. Eu sabia o que iria acontecer.
Nossa noite acabou linda e calorosa. Caímos na inconsciência. O sono nos dominou.
LUA DE MEL OFF
ZAYN'S POV
No meu quarto você encontra papéis amassados e jogados em tudo quando é canto, eu estou escrevendo músicas. Não sei se vou cantá-la, mas posso dá-la para alguém que tenha esse dom. Comecei a desenhar também, todos os meus desenhos eram da (seunome). Sorrindo, chorando, correndo, olhando para o nada... Será que eu estou ficando louco? Não!
LIGAÇÃO ON
- Maura? - digo.
- Oi Zayn! - Maura fala empolgada - Aconteceu alguma coisa?
- Posso... Posso buscar Anna? - pergunto inseguro.
- Claro que sim!
- Estou indo então.
LIGAÇÃO OFF
Pego minha jaqueta de couro que comprei recentemente e vou buscar Anna na casa de Maura. Essa criança me trazia paz. Não demoro muito e já chego ao portão da casa dela. As vejo em pé em frente à porta. O portão se abre e Anna começa a correr desengonçada em minha direção, eu abaixo para abraçá-la.
- Zayn! - ela diz após me dar um abraço apertado. Era disso que eu estava precisando.
Levanto com ela no colo e acaricio seu cabelo até Maura chegar até nós.
- Obrigado Maura, por deixá-la comigo um pouco - digo.
Anna se vira para olhar a avó e manda beijo. Maura ri.
- Por nada, Zayn. Mas não voltem tarde! - Maura ordenou.
Assenti com a cabeça e coloquei no carro, entrei também e dei a partida. Anna ficou o caminho todo sorrindo pra janela do carro, acho que estava vendo seu reflexo. Parei no Hyde Park e ficamos brincando em volta da árvore que tinha, depois ela me contou que as folhas das árvores eram verdes. Anna sabia bastante para sua idade. Deitamos na grama e ficamos cantando. Paramos de cantar e ficamos encarando a nuvem que se mexia no céu.
- Zayn? - me chama.
Viro meu rosto para ela e fico a olhando esperando ela dar continuidade.
- Te amo! - conclui.
Eu perdi meu chão, meus olhos encheram de lágrimas e eu sorri. Em toda minha vida, as únicas pessoas que falaram "Te amo" pra mim foram meus pais e minhas irmãs e agora Anna.
- Também te amo, pequena - disse.
Anna veio até mim e abraçou minha barriga. Limpei a lágrima que escorria no canto do meu olho.
- Vamos embora? - disse levantando.
Anna assentiu com a cabeça e fomos até o carro correndo. Começo a andar enquanto ela já estava encostada no carro me esperando.
- Com licença - uma voz feminina me fez parar. Uma mulher linda me parou, ela me lembrava (seunome), só que mais velha - Você poderia me dizer as horas?
- Claro! - disse desviando meus olhos para o pulso, volto a olhar para ela - Cinco e quinze.
- Muito obrigada! - ela disse simpática sorrindo e saiu andando.
Voltei a andar quando ela me chamou outra vez.
- Querido! - ela disse me parando, olhei para ela - Essa pequena é sua filha?
- Não, não. É filha da minha... amiga - disse engolindo em seco.
Queria poder falar: "É sim" e sorrir, e ai ela poderia perguntar onde estar a mãe e eu responderia: "Está trabalhando, ela é linda como a filha", mas eu só falei que é filha da minha amiga.
- Ela é muito linda! Tchau! - a mulher voltou a andar.
Pisquei e voltei à realidade, abri a porta do carro para Anna e depois entrei no carro dando partida.
(SEUNOME)'S POV
Pena que minha Lua de Mel acabou, pois garanto que foi a melhor de todas. Se pudesse repetir e repetir eu repetiria e repetiria. Niall é incrível. Eu não parava de olhar para ele enquanto dirigia. Na verdade, eu não estava acreditando que já se passaram três dias.
Passei a mão na minha barriga e Niall automaticamente acompanhou.
- Aconteceu alguma coisa? - ele perguntou preocupado.
- Não. Só estava lembrando de quando estava grávida de Anna - disse.
Niall sorriu.
- Não pude ver, mas você deve ter ficado linda!
Corei e sorri. Niall tinha o dom de fazer isso. Chegamos em casa. Niall tirou as bolsas de nossas mãos e abriu a porta, voltou até mim e me pegou no colo para entrar.
- Não acredito que você fez isso - disse.
- É pra dar sorte - Niall falou me colocando no chão e me beijando.
Me afastei de Niall e respirei fundo sentindo o ar da minha casa fechada.
- Casa! Lindo e livre habitat - disse e Niall começou a ri.
Dei de ombros e fui pegar as bolsas com ele me segurando pela cintura.
- Niall, vamos, temos de buscar Anna na casa da sua mãe - disse fazendo ele se agilizar.
Arrumamos nossas roupas no guarda-roupa e coloquei as outras para lavar. Fomos até a geladeira e Niall espirrou chantilly na boca e olhou pra mim que o encarava.
- O que foi? - Niall me pergunta inocentemente.
Começo a rir e pego um biscoito cookie no pote.
- Vamos! - digo puxando Niall pela mão.
Fomos até a casa de Maura buscar Anna, que estava lá a três dias, deve ter dado muito trabalho. Não sei se era eu que estava vendo o mundo colorido ou se o caminho da casa de Maura estava mudado, mas não era possível mudar um caminho tão grande em três dias. O portão se abre e Niall entra com o carro.
Niall aperta a campainha e esperamos que alguém abra a porta.
Zayn?
- Zayn? - Niall fala - Oi cara - Niall dá um abraço nele - Já estava com saudade de você.
- Você está querendo dizer que está cansado de mim? - disse brincando dramática.
- Não amor eu... - Niall começa, mas eu o interrompo.
- Sem desculpas - digo e me ponho na frente de Zayn, o abraçando fazendo o calor de nosso corpo se conectar - Oi Zayn, oi Zayn, oi Zayn.
- Oi! - Zayn fala rindo e corresponde ao meu abraço maluco.
Sinto a mão de Niall puxando minha blusa para baixo.
- Quê? - pergunto olhando para ele.
- Desculpa, eu não estou cansado de você - Niall fala fazendo bico.
Começo a rir e viro para ele, coloco meus braços envolta de sua nuca.
- Nialler, calma. Eu estava brincando - digo e começo a beijá-lo.
Zayn limpa a garganta nos fazendo separar nossos lábios, entramos em casa e estava tudo quieto.
- Cadê minha mãe? - Niall pergunta.
- A Maura deu uma saída rápida e me deixou aqui caso a Anna acordasse - Zayn passa a mão em seu topete - É que a gente está saindo esses três dias, então ela me deixou aqui.
- Quem está saindo? Você e minha mãe? - Niall pergunta se virando para Zayn e colocando a mão nos bolsos.
- Não, eu e a Anna! - Zayn fala sorrindo.
Niall levanta uma das sobrancelhas intimidador.
- Calma Niall - Zayn fala na defensiva e eu começo a rir.
NIALL'S POV
Minha filha e Zayn? Como assim? Se fosse minha mãe eu até entenderia, mas Zayn? Ele é da minha idade, minha filha só tem dois anos.
- Calma Niall - Zayn fala na defensiva, percebi que ele iria falar mais alguma coisa, mas a (seuapelido) começou a rir.
- Nialler, calma, ela é só uma criança, não entende - (seunome) disse.
- Quando nos conhecemos e percebemos que estávamos apaixonados, nós éramos crianças, mas começamos a namorar tarde - Niall fala.
Percebo o rosto de (seuapelido) ficar sério.
- Desculpa - disse dando um beijo no topo de sua cabeça.
- Ela disse "Te amo" numa tarde no Hyde Park - Zayn fez uma pausa - Eu fiquei tão emocionado que chorei.
Isso me tocou, minha filha estava apaixonada aos dois anos de idade? Isso é possível?
- Você gosta dela? - perguntei.
Zayn se sentou no sofá e eu e (seuapelido) fizemos o mesmo. Zayn encarava o chão quando começou a falar.
- Anna é como uma filha pra mim - Zayn me olhou após falar isso - Desculpa, é que eu criei ela até um ano e sete meses.
- Tudo bem, tudo bem - disse - Você tem toda razão de se sentir como pai dela - continuei falando - Você chegou a ver a (seuapelido) grávida.
Fez-se um silêncio na sala.
- Ai gente - (seuapelido) começou - Ela é só uma criança, todo mundo teve seu primeiro amor aqui.
- Você! - respondi a fazendo corar.
- Idem! - (seuapelido) fala e começamos a rir.
Piadinha interna.
- E você Zayn? - pergunto - quem foi seu amor?
- Não posso falar - Zayn fala.
- Qual é Zayn? - (seuapelido) protesta.
- Nossa, olha só - Zayn fala olhando o relógio de seu pulso - Está na minha hora. Cuida da Anna.
Zayn começa a andar até a porta.
- Zayn? - (seuapelido) o chama - Por favor? - (seuapelido) fala manso.
Zayn respira fundo, pressiona a maçaneta e aporta se abre, ele abre os olhos que estavam fechados e a encara.
- Você! - Zayn fala e sai dali.
ZAYN'S POV
Fecho a porta e saio quase voando da casa de Maura.
- Aonde vai meu filho? Cadê a Anna? - Maura me para quando estou entrando no carro.
- Niall e (seuapelido) estão ai. Anna ainda está dormindo - fecho a porta do carro - Obrigado por tudo, Maura!
Antes mesmo dela responder eu dou partida e saio da casa dela. Não tinha rumo nem sabia pra onde ia. Podia me matar ao menos. Já confessei que a amo muitas vezes, ela me beijou uma vez e eu dormi na mesma cama que ela. Está tudo ótimo. Paro na London Bridge e saio do meu carro, sinto aquele vento frio que batia no meu rosto causando calafrios em mim. Seguro firme nas barras que tinham ali de ferro e fico em pé olhando para a água que estava quieta. Fecho meus olhos e penso em tudo que já passei, desde a minha infância até agora.
- Got your voice in my head. Saying let's just be friends. Can't believe the words came out of your mouth - canto baixinho.
Me inclino pra frente. Chegou a minha hora!
- Não! - a voz feminina me desperta, eu volto para trás me desequilibrando.
Abro meus olhos vejo quem é que gritou.
- O que você está fazendo aqui? - pergunto. Era aquela mulher do parque.
Ela vem andando devagar fazendo barulho com seu salto.
- Por favor, recue! - ela diz.
Desço como ela pediu, me viro para ela, nós ficamos frente a frente.
- Por que pediu isso? Eu nem ao menos sei seu nome - disse rindo sem jeito.
- Victória! Meu nome é Victória. E o seu?
- Meu nome é Zayn - me afasto um pouco dela - Só me deixa... Só me deixa concluir o meu objetivo.
Começo a me virar e Victória segura minha mãe, seu toque era quente.
- Espere - ela disse - Posso estar cometendo um erro, mas ouvi você cantando. Apenas se mantenha parado.
Victória se aproximou de mim e juntou nossas testas, rua respiração era quente assim como sua mão, minha respiração estava calma, mas meu coração estava acelerado.Victória me beija, nossos lábios faz barulho ao se afastarem.
- Me perdoe - Victória fala.
- Shhhhhh - digo.
A puxo pela cintura fazendo nossos corpos se encontrarem e nos uno com outro beijo. Estávamos tão próximos que não sabia onde começava e onde terminava. Eu me apaixonei por ela, foi amor à primeira vista, mas eu só enxergava a (seunome). Talvez, dar uma chance a Victória não foi um erro. Foi uma solução!
ALGUM TEMPO DEPOIS
Só me lembro de me jogar na janela e ver o caminhão de mudanças encostando, as poucas caixas que iam saindo me faziam lembrar quando as mesmas entraram. Zayn estava indo embora. Pra onde eu não sei, mas não quis se despedir de mim, apenas de Anna, que foi até lá dar adeus para ele. Zayn marcou minha história, talvez até a de Niall, mas eu não posso falar por ele.
- (seuapelido)? Cadê a Anna? - Niall pergunta se aproximando de mim.
- Está com Zayn - digo ainda olhando pela janela.
Ele se encosta para olhar também.
- Por que ele está indo embora? - Niall pergunta.
- Não sei. Mas ele andava saindo muito há uns tempos atrás, talvez esteja namorando, quem sabe?
Vejo Anna voltando e Zayn olha para minha janela. Ele faz um gesto e eu o respondo do mesmo jeito. Viro para Niall que me olhava com seus olhos azuis brilhando.
- Faz tanto tempo que nós estamos casados - Niall fala.
- Você tem outra? - digo assustada.
Eu estava sentada na minha mesinha e Niall estava entre minhas pernas. Ele começa a gargalhar, a gargalhada mais gostosa que já ouvi.
- Não amor - Niall fala - Claro que não!
- Então, por que você falou isso? - pergunto confusa.
- Porque... Ah... - Niall se complica - Eu queria... Um bebê - Niall fala ficando corado.
- Não! - digo.
- Não? - Niall repete assustado.
- Não precisa querer - digo e pego a mão dele - Você já tem.
Passo a mão de Niall na minha barriga e ele abre um sorriso.
- Mentira! - Niall fala.
Confirmo com a cabeça e Niall me pega no colo e começa a me rodopiar.
- AAAAAHHHHH - grito rindo.
- Mamãe? Papai? - Anna aparece na porta sem entender nada.
Anna já estava com cinco anos. Niall me senta na cama e vai até Anna na porta, pega a mão dela e a trás até a cama.
- Filha, passa a mão na barriga da mamãe - Niall fala.
Anna faz o que ele disse.
- O quê, papai? - Anna pergunta.
- A mãe vai ter um bebê - Niall fala alegre.
Anna sorri e olha para Niall.
- Um bebê? - ela pergunta feliz.
- Sim - Niall a pega no colo e a rodopia.
Niall a coloca em cima de mim depois se deita, fazemos um montinho na cama e ficamos rindo até tarde.
- Eu amo vocês! - Niall fala dando um beijo em nós duas.
- Eu amo vocês! - Anna fala.
- Eu amo vocês incondicionalmente! - digo passando a mão na minha barriga.

Fim

---------------------------------------------------------------------------------------
Gostaram?! Sabia que sim!
Comentem e votem!
Beijos,
Lola

6 comentários:

  1. AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH
    Fiquei o dia TODO no computador só para ler essa imagine!
    E EU A-M-E-I!
    Vou até repetir!:
    AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI AMEI
    tá,parei!
    Luísa

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, amore....
    c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:c:
    táparei!!

    lola

    ResponderExcluir
  3. meio estranho como pode 2 persongens com o mesmo nome,mas mesmo assim amei passei a tarde toda lendo.ficou perfeito ta de parabens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não flor, é que a (s/n) trabalha fazendo entrevistas, e ela foi logo entrevistar o zayn malik, entendeu?

      Excluir
  4. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHH MUUUUUIIIITTTOOOO LIINNDOO!!!!! Parabéns, muuitoo lindo!! Faz uma pra mim ??

    ResponderExcluir